Covid-19: Walmart quer contratar mais 150 mil trabalhadores até maio

Para responder ao aumento da procura, o grupo de distribuição norte-americano vai reforçar a equipa nos centros de abastecimento e distribuição. Os contratos serão em regime de trabalho temporário.

O grupo de distribuição norte-americano Walmart quer contratar 150.000 pessoas em regime part-time, até ao final de maio, para responder ao aumento da procura devido ao coronavírus. A empresa está à procura de profissionais para trabalhar nas lojas e nos centros de abastecimento e distribuição, avança a CNN (conteúdo em inglês, acesso gratuito).

Numa nota publicada na página oficial, a Walmart explica que, numa fase inicial, os contratos serão em regime temporário, mas podem vir a converter-se em contratos permanentes. Para conseguir contratar rapidamente, a empresa vai reduzir o tempo do processo de recrutamento de duas semanas para 24 horas.

“Sabemos que milhões de americanos, que normalmente estão empregados, estão temporariamente sem trabalho nesta fase e, ao mesmo tempo, sentimos uma forte procura nas nossas lojas. Queremos que as pessoas considerem a Walmart como uma forma de ganhar um dinheiro extra e prestar um serviço vital à comunidade“, sublinha na mesma nota o CEO da Walmart, Doug McMillon.

Mais de 500 milhões em bónus

A empresa adiantou ainda que, para premiar a “dedicação” e o “trabalho árduo” em tempo de crise, tem mais 500 milhões de dólares para distribuir pelos 2,2 milhões de trabalhadores que emprega em todo o mundo. Para os trabalhadores a full-time, o bónus será de 300 dólares — o equivalente a 277 euros –, e quem tem contrato a part-time vai receber 150 dólares, cerca de 140 euros, já no início do próximo mês.

Esta semana, a empresa de e-commerce Amazon anunciou que está a planear contratar mais 100 mil funcionários para os armazéns e entregas, numa altura em que regista um aumento no número de encomendas devido ao coronavírus. Por cá, também a Multipessoal anunciou que está à procura de trabalhadores para assegurar os serviços mínimos em cadeias de distribuição. Esta sexta-feira, o Lidl anunciou a contratação de mais 500 pessoas para reforçar as equipas das suas lojas e entrepostos, de norte a sul, de forma a “dar a melhor resposta possível aos cidadãos no atual contexto do país”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Walmart quer contratar mais 150 mil trabalhadores até maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião