Revista de imprensa internacional

O coronavírus poderá custar 4.000 milhões à banca espanhola este ano. Já a Domino’s planeia contratar cerca de 10.000 trabalhadores para responder à pandemia.

A pandemia do coronavírus afeta vários setores, nomeadamente a banca. A fatura para os bancos espanhóis poderá chegar aos quatro mil milhões de euros, este ano. Por outro lado, há empresas que acabam por ver um aumento na atividade. É o caso da Domino’s, que tem nos planos contratar dez mil funcionários para lidar com a procura. Os efeitos desta pandemia na economia também preocuparam dois senadores norte-americanos, que, quando confrontados com informação sobre o vírus, decidiram vender ações. Veja estas e outras notícias que marcam a atualidade internacional.

Financial Times

Dois senadores norte-americanos venderam ações depois de receber informação sobre coronavírus

Dois senadores republicanos venderam milhões de dólares em ações pouco antes dos mercados dos EUA caírem em resposta à pandemia de coronavírus. Richard Burr, presidente republicano do comité de inteligência do Senado, e a esposa, venderam 1,7 milhões de dólares em ações a 13 de fevereiro, de acordo com divulgações do congresso. Kelly Loeffler, ex-executivo da Intercontinental Exchange que entrou no Senado este ano, vendeu até 3,1 milhões em ações durante três semanas até 14 de fevereiro.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Expansión

Coronavírus vai custar 4.000 milhões à banca espanhola este ano

A desaceleração da economia europeia devido à pandemia vai passar uma fatura pesada nas instituições financeiras, de acordo com uma análise realizada pelo Bank of America. Para todos os bancos europeus incluídos no relatório, o lucro bruto para 2020 pode ser de 91.423 milhões de euros, valor que compara com os 125.431 milhões esperados antes do início do surto, uma queda de 27%. No caso dos seis bancos espanhóis analisados (Santander, BBVA, CaixaBank, Bankia, Sabadell e Bankinter), o resultado bruto deste ano poderá cair quase 4.000 milhões de euros, de 25.112 milhões para 21.143 milhões, 16% a menos.

Leia a notícia completa no Expansión (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Le Figaro

Estado francês convida empresas a pagar bónus de 1000 euros a quem continuar a trabalhar

O ministro da Economia e Finanças francês colocou em cima da mesa a possibilidade de as empresas poderem pagar um bónus de mil euros não tributável, algo que poderá ser feito até 30 de junho. “Convido todas as federações, todas as empresas que têm um acordo de participação nos lucros, em particular nos setores vitais, a pagar este prémio de 1.000 euros, que é totalmente isento de impostos”, disse Bruno Le Maire.

Leia a notícia completa no Le Figaro (acesso livre, conteúdo em francês).

Reuters

Alemanha planeia fundo de meio bilião de apoio a empresas atingidas pelo coronavírus

A Alemanha está a planear um fundo de meio bilião de euros para apoiar as empresas em dificuldades de pagamento devido à crise do coronavírus, que poderá até injetar capital quando necessário. O fundo de cerca de 500 mil milhões de euros é feito à imagem do Fundo Especial de Estabilização de Mercado, criado pelo Governo alemão para apoiar bancos na época da crise financeira. O Governo está preparado para voltar a recorrer a esse fundo também se os bancos tiverem dificuldades.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

CNBC

Domino’s espera contratar cerca de 10.000 trabalhadores para responder à pandemia

A Domino’s está a planear contratar dez mil trabalhadores, numa altura em que mais pessoas recorrem à entrega de comida. A cadeia de pizarias procura motoristas de entrega, cozinheiros, representantes de serviço ao cliente, gerentes e motoristas de camião licenciados para os centros de cadeia de fornecimento. A necessidade varia de acordo com as lojas individuais. As entregas representam cerca de 55% do total de pedidos da cadeia.

Leia a notícia completa na CNBC (acesso livre, conteúdo em inglês).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião