Bolsas europeias afundam. PSI-20 renova mínimo histórico com queda de 3%

Perspetivas de uma recessão global estão a penalizar as ações no início da semana. Europa espelha as quedas na Ásia.

As ações europeias afundam esta segunda-feira, a prolongar o sentimento negativo vivido na Ásia. Enquanto governos e organizações tentam travar a disseminação do coronavírus e o impacto da pandemia na economia, as perspetivas não são positivas e há cada vez mais analistas a anteciparem que o surto irá gerar uma recessão global.

A deterioração adicional do surto de Covid-19 está a prejudicar gravemente a economia global“, alertaram analistas do Morgan Stanley numa nota aos clientes, esta segunda-feira, citada pela Reuters. “Estimamos que o crescimento global caia perto da crise financeira e o crescimento dos EUA para mínimos e 74 anos, em 2020”, referem.

Para o segundo trimestre do ano, os analistas do banco de investimento calculam um tombo de 30% no PIB dos EUA. O presidente do país Donald Trump tinha anunciado um mega plano para impulsionar a economia, mas os democratas travaram o plano de estímulos fiscais de quase dois mil milhões de dólares (1,87 mil milhões de euros) por considerarem que era excessivamente generoso para as grandes empresas.

Neste cenário, as ações europeias negoceiam esta segunda-feira com fortes quedas. O Stoxx cai 2,2%, enquanto o alemão DAX tomba 4,7%, o francês CAC 40 perde 3,2% e o espanhol IBEX 35 cai 3,5%.

O português PSI-20 desvaloriza 3,17% para 3.554,14 pontos, a tocar um novo mínimo histórico. A liderar as perdas está a EDP Renováveis, que afunda 4,61% para 8,90 euros, segundo a casa-mãe EDP perde 2,73%.

A Galp Energia perde 3,76% para 7,934 euros, num dia em que o petróleo voltou a negociar em terreno negativo: o Brent de referência europeia recua 3,71% para 25,98 dólares por barril, enquanto o WTI segue na linha de água, próximo de 22,80 dólares.

No retalho, a Sonae (-4,96%) e a Jerónimo Martins (-2,88%) também acumulam perdas. O BCP perde 2,14% para 0,1008 euros, muito próximo do mínimo histórico tocado a 18 de março (de 0,10 euros).

As cotadas reagem de forma generalizada ao surto de Covid-19, que obrigou ao fecho temporário de empresas e a que os trabalhadores estejam em casa. Em Portugal, um grupo de economistas já pediu ao Governo a criação de um gabinete para monitorizar o impacto em tempo real e evitar eventuais cortes no fornecimento de bens essenciais no país.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas europeias afundam. PSI-20 renova mínimo histórico com queda de 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião