Há 2.060 casos confirmados de Covid-19. Número de mortes sobe para 23

As autoridades de saúde elevaram de 1.600 para 2.060 o número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus em Portugal, um acréscimo de 460 casos. O número de mortes sobe de 14 para 23.

As autoridades de saúde encontraram 460 novos casos de coronavírus em Portugal, elevando de 1.600 para 2.060 o número total de casos conhecidos de Covid-19 no país. O número de vítimas mortais subiu de 14 para 23, havendo 14 pessoas que já recuperaram da doença, segundo a atualização diária da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Boletim epidemiológico de 23 de março

Fonte: Direção-Geral da Saúde

Dos 2.060 casos confirmados, 201 estão em internamento hospitalar e 47 estão em unidades de cuidados intensivos. Significa que cerca de 88% dos casos de Covid-19 em Portugal estão a ser medicamente seguidas nas respetivas residências ou em local correspondente, fora das unidades hospitalares.

A maioria dos casos confirmados situa-se na região Norte (1.007), seguida de Lisboa e Vale do Tejo (737), Centro (238), Algarve (42), Açores (11), Madeira (9) e Alentejo (5), bem como 11 casos “exportados” de Portugal para outros países. A maioria dos 23 óbitos foi registada no Norte (9), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (8), Centro (5) e Algarve (1). O Centro é a região com mais pessoas recuperadas (7), seguindo-se a região de Lisboa (4) e Norte do país (3).

Há ainda um total de 142 “casos importados” de outros países. A esmagadora maioria diz respeito a pessoas infetadas vindas de Espanha (44), França (26) e Itália (20), seguindo-se Reino Unido e Suíça, ambos com 11 casos importados cada.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, 165 do total de casos confirmados corresponde a profissionais de saúde que contraíram Covid-19. Nomeadamente, 37 enfermeiros, 82 médicos e “os restantes” 46 correspondem a “outras classes profissionais de prestação direta de serviços”.

Características dos casos confirmados

Fonte: Direção-Geral da Saúde

Segundo as mais recentes informações oficiais, 1.402 pessoas aguardam resultado laboratorial e 11.842 estão sob vigilância por terem estado em contacto com pessoas infetadas, estando, por isso, sujeitas ao confinamento obrigatório decretado pelo estado de emergência. Há ainda um total de 13.674 casos suspeitos desde 1 de janeiro e 10.212 casos não confirmados.

A subida de 1.600 para 2.060 casos confirmados representa uma taxa de crescimento de 29%, estando a pandemia a evoluir em Portugal a uma taxa média de crescimento diário de cerca de 37%, segundo cálculos do ECO.

O número de casos confirmados corresponde às pessoas cujas análises deram positivo para o novo coronavírus, não correspondendo ao número exato de casos no país, que deverá ser superior. Estes aumentos diários no número de casos já tinha sido antecipado pelas autoridades, sendo que, à medida que mais pessoas vão sendo testadas, o número de casos confirmados tende a aproximar-se do número de casos reais.

Assim, a evolução do número casos confirmados é a forma de medir a evolução da pandemia no país, mas não corresponde à evolução real do vírus em território nacional. Isto acontece porque o número de testes realizados é limitado e porque algumas pessoas podem ser infetadas e não desenvolverem qualquer sintoma, não sendo, por isso, sujeitas a teste.

Portugal com capacidade para 4.000 testes diários. Vai comprar mais máscaras

Na já habitual conferência de imprensa diária, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, garantiu que o país está a aumentar a capacidade de testagem para medir com mais exatidão a evolução do vírus no país.

“Neste momento, o SNS [Serviço Nacional de Saúde] tem capacidade para 2.500 testes diários. No privado, são mais 1.500 testes por dia”, afirmou. Além disso, o governante disse que “existe em stock, entre público e privado, cerca de 20.000 testes” para o novo coronavírus.

No plano do equipamento, Lacerda Sales disse que, esta segunda-feira, sai um avião com destino à China para “trazer material”. “Esta semana, teremos mais dois milhões de máscaras cirúrgicas e dois milhões de máscaras FP2”, acrescentou.

(Notícia atualizada às 14h31 com correção do quadro de características dos casos confirmados divulgada pela DGS)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 2.060 casos confirmados de Covid-19. Número de mortes sobe para 23

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião