Estímulos de dois biliões de Trump chumbados nos EUA

  • ECO
  • 23 Março 2020

Democratas consideram que acordo proposto pela Casa Branca era excessivamente generoso para as grandes empresas, tinha condições muito limitadas e não previa fundos suficientes para os hospitais.

O plano de estímulos orçamentais nos Estados Unidos, de quase dois biliões de dólares (1,87 biliões de euros), foi chumbado. O pacote tinha sido proposta pelo presidente Donald Trump, mas não teve “luz verde” dos democratas no Congresso norte-americano, segundo o Financial Times (acesso condicionado).

Trump tinha anunciado um plano para ajudar os Estados Unidos a enfrentar o coronavírus, mas as negociações chegaram a um impasse, com os democratas a afirmarem que o acordo proposto pela Casa Branca era excessivamente generoso para as grandes empresas. Em simultâneo, tinha condições muito limitadas e não prevê fundos suficientes para os hospitais.

Apesar do impasse, os dois políticos que estão a liderar as negociações — o secretário do Tesouro Steven Mnuchin e o senador democrata Chuck Schumer — sinalizaram que ainda há espaço para alcançar uma solução conjunta. “Esta lei vai afetar este país e as vidas dos norte-americanos não só nos próximos dias, mas nos próximos meses ou até anos, portanto temos de garantir que é boa. Estamos cada vez mais próximos e tenho esperança que vamos conseguir”, disse Schumer, ao FT.

Com o surto de coronavírus a alastrar nos Estados Unidos, a administração Trump tem estado a trabalhar em estímulos orçamentais e fiscais para travar o impacto da doença, enquanto a Reserva Federal norte-americana já anunciou igualmente uma série de medidas de política monetária.

É cada vez mais certo que a Covid-19 poderá pôr fim ao maior ciclo de crescimento económico dos Estados Unidos. Esta segunda-feira, os analistas do banco de investimento Morgan Stanley atualizaram as projeções para a economia do país e estimam agora um tombo de 30% no PIB no segundo trimestre do ano, acompanhado de uma subida da taxa de desemprego para 12,8%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estímulos de dois biliões de Trump chumbados nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião