BRANDS' PESSOAS O terramoto do trabalho remoto…

  • BRANDS' ECO
  • 23 Março 2020

Marta Santos, EY Associate Partner, People Advisory Services, explica o que deve ser feito perante a nova realidade de trabalho imposta pela pandemia do coronavírus.

De repente, acordámos para uma nova realidade de trabalho. De um dia para o outro, uma enorme percentagem de pessoas passou a trabalhar remotamente. Não foi, como tão bem sabemos, uma opção pensada, planeada e gerida. Foi uma imposição repentina.

Como conseguiremos, face a esta realidade incontornável, manter a motivação e a produtividade, individual e das equipas? É fundamental estabelecer planos de intervenção que atendam, em primeiro lugar, à segurança das pessoas e ao seu bem-estar – a base da Pirâmide das Necessidades (Maslow).

Conhecer os trabalhadores e identificar os grupos com maiores desafios: situações de comorbilidades, que representam um maior risco face a possíveis complicações em caso de contaminação pelo novo Coronavírus; trabalhadores com filhos menores de 12 anos, que terão maiores dificuldades em conciliar as dinâmicas familiares e de trabalho.

De uma forma transversal, transmitir boas práticas de trabalho remoto aos colaboradores – para muitos, esta é uma primeira vez! Como organizar o espaço de trabalho, mantendo uma diferenciação deste com o espaço-casa? Como definir e manter horários que mantenham uma cadência semelhante de trabalho? Como reconhecer e evitar elementos que constituem distrações que em trabalho presencial não existem?

Conhecer os processos e atividades críticos para o negócio e saber como os adaptar às novas circunstâncias de forma célere. Garantir que as ferramentas de trabalho estão operacionais e que são utilizadas no seu potencial de colaboração. Este potencial só pode ser atingido se transversalmente as pessoas estiverem capacitadas para uma utilização eficaz das ferramentas existentes.

Comunicar de forma clara as novas metodologias de trabalho, a estratégia definida e o que se espera de cada um. A comunicação é um elemento imprescindível no trabalho remoto. Deve ser planeada, gerida e monitorizada de forma constante.

É preciso também preparar os líderes e gestores de equipa para uma nova realidade de gestão de equipas remotas. Capacitá-los para uma delegação de tarefas eficaz, para uma monitorização de trabalho à distância, para transmitir a segurança e a confiança que as equipas necessitam para se manterem produtivas, motivadas e com alento!

É aos líderes e gestores de equipas que caberá ainda uma monitorização ao nível do bem-estar físico e mental dos trabalhadores. É uma mudança abrupta de hábitos, a que se adiciona a ansiedade relacionada com a situação de pandemia que vivemos, com potenciais consequências sérias a estes níveis. É preciso estar atento. Alertar.

Aos líderes, que são também trabalhadores com o seu contexto pessoal e familiar próprio, pede-se um papel de resiliência e de exemplo num contexto que para muitos é novo. Gerir equipas remotas e dispersas não é o mesmo que gerir uma equipa presencial – é fundamental que também eles sejam apoiados neste novo desafio.

É preciso tudo isto, para ontem.

Não é um programa de transformação digital preparado e sustentado, com uma gestão de mudança que o suporta e promove a adoção de novos comportamentos… É uma imposição. É a realidade já hoje.

Temos de fazer acontecer, de forma rápida. De forma eficaz. Promovendo a segurança das pessoas e a continuidade do negócio.

#FiqueEmCasa

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O terramoto do trabalho remoto…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião