Decisão de PR sobre metro de Lisboa confirma que projeto é “apenas do Governo”

  • Lusa
  • 24 Março 2020

“Decisão PR vem confirmar que a construção da linha circular do Metropolitano de Lisboa dizia respeito, apenas e só, ao Governo e ao Metropolitano de Lisboa", diz ministério ambiente.

O Ministério do Ambiente considerou esta terça-feira que o facto de o Presidente da República ter afastado um recurso ao Tribunal Constitucional (TC) por causa do Metropolitano de Lisboa confirma que o projeto diz respeito, “apenas e só”, ao Governo.

Na segunda-feira, a propósito da promulgação do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), o chefe de Estado defendeu que não se justifica um recurso ao TC sobre o projeto da linha circular do metro da capital, argumentando que a Assembleia da República apenas formulou uma “recomendação política”, sem suspender “qualquer decisão administrativa”.

Em causa está a aprovação de uma alteração ao OE2020, na especialidade, para a suspensão do projeto de construção da linha circular, o que motivou protestos do PS e do Governo.

“A decisão do senhor Presidente da República vem confirmar que a decisão da construção da linha circular do Metropolitano de Lisboa dizia respeito, apenas e só, ao Governo e ao Metropolitano de Lisboa”, pode ler-se numa resposta do Ministério do Ambiente e da Ação Climática à Lusa.

De acordo com a mesma nota, “os concursos para as obras, expropriações e candidaturas a fundos comunitários nunca foram interrompidos, pelo que este processo manteve-se e mantém-se com toda a normalidade”.

“A forma com o senhor Presidente da República anuncia a sua decisão torna desnecessária qualquer recurso ao Tribunal Constitucional”, acrescenta ainda o gabinete do ministro João Matos Fernandes, que tutela os transportes urbanos.

O Ministério do Ambiente e da Ação Climática refere ainda que “numa decisão devidamente fundamentada em estudos técnicos, que são públicos, mantém a forte convicção de que a construção da linha circular é indispensável para a melhoria do funcionamento da mobilidade na Área Metropolitana de Lisboa”.

Numa nota divulgada na segunda-feira sobre a promulgação do OE2020, o Presidente da República considerou que “nenhuma das dúvidas levantadas, em termos de constitucionalidade, se afigura justificar o pedido de fiscalização preventiva ao Tribunal Constitucional”.

“Nem mesmo aquela que maior debate motivou, a saber, a da eventual violação do princípio da separação e interdependência dos poderes do Estado, na sua dimensão de respeito da reserva de administração, no caso de alegada deliberação parlamentar suspendendo decisão administrativa sobre a concretização de linha circular do metro de Lisboa”, acrescentou.

Segundo o chefe de Estado, “em rigor, a Assembleia da República não suspendeu qualquer decisão administrativa, limitando-se a formular recomendação política, dirigida ao Governo e à Administração Pública em geral, sobre a aludida matéria”.

Durante o processo de debate orçamental, o grupo parlamentar do PS fez saber que iria pedir ao Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva da referida norma para a suspensão da construção da linha circular do Metropolitano de Lisboa, por entender que a adjudicação e outorga de contratos administrativos é domínio próprio da atividade executiva.

O projeto prevê a criação de um anel envolvente da zona central da cidade, com a abertura de duas novas estações: Estrela e Santos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Decisão de PR sobre metro de Lisboa confirma que projeto é “apenas do Governo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião