Prova dos 9: Banca pede spread de 3% no crédito a PME e financia-se a -0,75% como diz o sócio-gerente da Padaria Portuguesa?

Banco pediu spread de 3% para financiar a Padaria Portuguesa. O primeiro ministro diz que spreads vão variar entre 1% e 1,5%. O ECO confirmou os factos para perceber quem tem razão.

A Padaria Portuguesa está em dificuldades. Não será caso único, mas tornou-se público com a carta aberta escrita pelo sócio-gerente Nuno Carvalho ao ministro Pedro Siza Vieira. Esta empresa, tal como muitas outras que têm serviço ao público e se viram obrigadas a fechar devido ao surto de coronavírus, está a sofrer uma forte queda nas receitas.

A inesperada e abrupta quebra de faturação deixou a Padaria Portuguesa, pela primeira vez na história da empresa, sem receitas suficientes para cobrir custos operacionais e encargos financeiros. “Mantendo-se este cenário, já no próximo mês não teremos capacidade financeira para pagar salários aos mais de 1.200 colaboradores”, alerta Nuno Carvalho.

O gestor desta cadeia alimentar escreve ao ministro da Economia com o objetivo de mostrar que as medidas apresentadas pelo Governo para o setor da restauração “não resolvem os problemas urgentes que as empresas enfrentam”, criticando tanto o regime de lay-off como os termos da linha de crédito.

Nuno Carvalho diz que tentou aceder às linhas de crédito, abertas pelo Governo (num valor total de três mil milhões de euros), mas pediram-lhe um spread de 3%, uma taxa muito acima daquela à qual a banca se financia. A denúncia foi feita no mesmo dia em que o primeiro-ministro, António Costa, garantiu que os spreads iriam variar entre 1% e 1,5%.

Afinal qual é o spread? O ECO fez as contas.

A afirmação

“As linhas de crédito lançadas são um excelente instrumento para ajudar a tesouraria nesta fase. Mas tem sentido as condições de spread que os bancos estão a fazer?! Saberá o Governo que se estão a praticar spreads de 3% quando o BCE ficou taxas de juro de -0,75%?! É razoável os bancos aproveitarem esta crise para fazer negócio desta forma?!“.

As perguntas foram feitas por Nuno Carvalho, dirigindo-se ao ministro Siza Vieira, sobre as linhas de crédito anunciadas a semana passada pelo Executivo. Num total de 3,2 milhões de euros, 600 milhões de euros são direcionado para empresas da restauração e similares (dos quais 270 milhões são destinados a micro e pequenas empresas do mesmo setor).

As linhas de crédito lançadas são um excelente instrumento para ajudar a tesouraria nesta fase. Mas tem sentido as condições de spread que os bancos estão a fazer?! Saberá o Governo que se estão a praticar spreads de 3% quando o BCE ficou taxas de juro de -0,75%?! É razoável os bancos aproveitarem esta crise para fazer negócio desta forma?!

Nuno Carvalho

Sócio-gerente da Padaria Portuguesa

Além da afirmação do sócio-gerente da Padaria Portuguesa. Há outra afirmação relevante para o caso. O primeiro-ministro anunciou, também esta segunda-feira e em entrevista à TVI, que estes empréstimos às empresas terão um spread mínimo de 1% e máximo de 1,5%, consoante a maturidade que pode ir até quatro anos.

Os factos

As duas afirmações parecem contraditórias, mas não é assim tão simples. É que Nuno Carvalho não disse quando ou onde pediu a simulação, sendo que não é relevante qual o banco onde o fez já que os maiores bancos do país anunciaram que iriam alinhar na iniciativa que tem regras uniformizadas.

A primeira linha de crédito, disponibilizada através do sistema bancário com garantia do Estado, foi anunciada por António Costa no Parlamento, a 5 de março. Aos deputados, o primeiro-ministro disse que estava a ser preparada uma verba de 100 milhões de euros para apoiar as empresas afetadas pelo surto de coronavírus. Esse valor acabou por ser duplicado a 9 de março.

O valor dividia-se entre a Linha Covid-19 Fundo de Maneio (160 milhões de euros) e a Linha Covid-19 Plafond Tesouraria (40 milhões). O documento de divulgação Linha Capitalizar, consultado pelo ECO, mostra que os spreads vão desde 1,7% até 3,563%, dependendo do escalão da empresa (calculado tendo em conta a autonomia financeira e o rácio de dívida face ao EBITDA).

Spreads das primeiras linhas superam 3,5%

Fonte: Documento de divulgação Linha Capitalizar

Na semana passada, o ministro da Economia anunciou um novo conjunto de linhas de crédito com um valor muito superior: três mil milhões de euros. Neste caso, os únicos dados conhecidos sobre os spreads foram os avançados por António Costa até porque o processo “ainda está a ser fechado com os bancos”, como explicou esta segunda-feira o primeiro-ministro.

Entre um anúncio e o outro, efetivamente, houve novas medidas de emergência do Banco Central Europeu (BCE), incluindo empréstimos de baixo custo (com a tal taxa de -0,75% referida pelo gestor) para incentivar os bancos a passarem liquidez para a economia, bem como um alívio dos requisitos de supervisão para que os bancos possam tomar mais risco sem serem penalizados.

Prova dos 9

As afirmações de Nuno Carvalho e António Costa não são afinal incompatíveis e ambas são verdadeiras. O banco a que o sócio-gerente da Padaria Portuguesa pode ter pedido um spread de 3% por um empréstimo, mas as novas linhas que estão a ser trabalhadas terão condições mais vantajosas.

Estas ainda não estão disponíveis às empresas, pelo que, para já, as existentes (que poderão ser fundidas quando as novas linhas foram lançadas ao público) são muito mais pequenas em montante e menos atrativas em termos de taxa. A promessa de António Costa é que o spread máximo seja metade desse: para um máximo de 1,5%.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Prova dos 9: Banca pede spread de 3% no crédito a PME e financia-se a -0,75% como diz o sócio-gerente da Padaria Portuguesa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião