Bruxelas avisa Estados-membros para “filtrarem” investimento estrangeiro

  • Lusa e ECO
  • 25 Março 2020

“Hoje lançamos diretrizes para ajudar os Estados-membros a filtrar o investimento estrangeiro e as aquisições [de capital] para controlo ou influência”, refere Ursula von der Leyen.

A Comissão Europeia recomendou esta quarta-feira aos Estados-membros que “filtrem” a entrada de capital estrangeiro nas empresas da União Europeia (UE), nomeadamente na área da saúde ou tecnológicas, atualmente “vulneráveis” devido à crise gerada pela pandemia de covid-19.

“Hoje lançamos diretrizes para ajudar os Estados-membros a filtrar o investimento estrangeiro e as aquisições [de capital] para controlo ou influência” em empresas da UE, anuncia a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, num vídeo publicado esta tarde.

Apontando que “as regras da UE já permitem fazer o escrutínio do investimento estrangeiro e [que], além disso, muitos Estados-membros têm sistemas de monitorização”, a líder do executivo comunitário apela aos países para que “utilizem estes instrumentos”. “E os que ainda não têm um sistema destes, digo-lhes que esta é a altura de o criarem”, acrescenta Ursula von der Leyen.

Segundo a responsável, “a crise do novo coronavírus afeta profundamente a economia europeia e muitas empresas estão temporariamente enfraquecidas”. “Temos de as proteger”, vinca, observando que “há setores que são cruciais para a segurança e saúde pública […], como a investigação médica ou a infraestrutura estratégica, e por isso merecem uma atenção especial”. “Temos de saber quem investe desde o estrangeiro nestas companhias e com que objetivos”, insiste.

Ursula von der Leyen adianta que “isto é especialmente importante numa altura de crise de saúde pública e económica, quando [as companhias] estão mais vulneráveis”. Dadas as medidas restritivas para tentar conter o surto na UE, são já várias as empresas do espaço comunitário com dificuldades de liquidez, o que, segundo Ursula von der Leyen, pode deixá-las mais ‘à mercê’ do capital estrangeiro, vindo de países como a China ou Estados Unidos, os principais parceiros económicos da União.

Questionado sobre esta matéria, o ministro dos Negócios Estrangeiros garantiu que Portugal “apoia a decisão que saiu deste debate” e sublinhou que está em causa um avanço. “Portugal olha para esta perspetiva da União Europeia com a serenidade de quem sabe que [tal] significa um avanço, porque nós próprios já nos vimos obrigados, no passado, a abrir empresas estratégicas, em processos de privatização feito à pressa ou sem as devidas salvaguardas, por imposição da então chamada troika, atirou Augusto Santos Silva.

O investimento estrangeiro foi particularmente importante para os países que mais sofreram com a última crise financeira, entre os quais Portugal, mas a Comissão Europeia está agora particularmente preocupada com aquisições de infraestruturas críticas nos setores da saúde e tecnologia.

Em vigor há um ano está um regulamento da UE para monitorizar a entrada de capital estrangeiro, prevendo que Bruxelas possa intervir perante “ameaças à segurança ou ordem pública”, mas que estipula que a última palavra cabe sempre aos Estados-membros.

Este regulamento tem de ser adotado pelos Estados-membros até outubro deste ano.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428.000 pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

(Notícia atualizada com declarações do ministro dos Negócios Estrangeiros)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas avisa Estados-membros para “filtrarem” investimento estrangeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião