Covid-19: Madeira estima “impacto negativo” de 580 milhões até setembro e mil milhões no final ano

  • Lusa
  • 25 Março 2020

A Madeira estima um "impacto negativo" do coronavírus superior a 580 milhões de euros até setembro, podendo chegar aos mil milhões no final do ano, disse o vice-presidente do Governo Regional.

As medidas de contenção da pandemia de covid-19 terão um “impacto negativo” na economia da Região Autónoma da Madeira superior a 580 milhões de euros até setembro, afirmou esta quarta-feira o vice-presidente do Governo regional.

Pedro Calado indicou também que, até ao final do ano, o impacto vai rondar os mil milhões de euros, razão pela qual a região pediu ao Governo da República a “suspensão imediata” das Lei das Finanças Regionais, mas ainda não obteve resposta.

“Sabemos que estamos num período de guerra sem armas e em períodos de guerra não podemos estar preocupados nem com deficits, nem com limites de endividamento, nem com contração de dívidas”, declarou.

O vice-presidente do Governo da Madeira falava em videoconferência, no Funchal, onde apresentou as principais medidas de apoio aos cidadãos e às empresas face à situação resultante da pandemia Covid-19, bem como os canais preferenciais de atendimento e comunicações online.

Pedro Calado enumerou e explicou um conjunto de medidas, já apresentado pelo chefe do executivo regional, de coligação PSD/CDS-PP, Miguel Albuquerque, no dia 22 de março, após uma reunião extraordinária do Conselho do Governo.

Entre as medidas constam a criação de uma linha de apoio específica para as empresas regionais no valor de 100 milhões de euros, a isenção do pagamento de rendas de habitação social e de mensalidades nos estabelecimentos de ensino e a suspensão temporária dos pagamentos dos planos prestacionais de dívidas à segurança social.

Neste momento, há que segurar os postos de trabalho das empresas e é nisso que vamos continuar a estar focados, sobretudo porque queremos que em setembro, ou a partir do segundo semestre deste ano, o relançamento económico se faça muito rapidamente”, disse Pedro Calado.

O governante vincou, por isso, que é fundamental suspender a Lei das Finanças Regionais, para permitir que a região recorra ao endividamento no mercado financeiro.

“Essa suspensão é para permitir à região ter mecanismos de apoio semelhantes àqueles que os países também têm e que, neste momento, estão a adotar”, sublinhou, lamentando o facto de o executivo regional estar impedido, “até ao dia de hoje”, de contrair empréstimos para acorrer às “situações excecionais” geradas pela pandemia de covid-19.

Pedro Calado disse, por outro lado, que a região apresentou superavits orçamentais durante sete anos consecutivos, sendo o último, referente a 2019, de 38 milhões de euros.

Temos condições económicas e financeiras para ir ao mercado financeiro pedir apoio extraordinário e fazer com que esse apoio reverta de uma forma direta no apoio aos cidadãos e às empresas“, reforçou.

O vice-presidente apelou aos empresários madeirenses para que recorram também aos apoios ao nível nacional e não apenas aos definidos pelo governo regional, onde se destaca uma linha de crédito, num montante até 100 milhões de euros, com uma bonificação de taxa de juro de 0% com carência de capital de 12 meses, que vai estar operacional dentro de 15 dias.

A isenção do pagamento de mensalidades nas creches e pré-escolar da região terá um impacto de três milhões de euros e abrange um universo de cerca de 15.000 alunos, ao passo que as 18.000 pessoas e 89 empresas e associações que não vão pagar rendas sociais nos próximos meses representa um impacto superior a 1,2 milhões de euros.

Entre as várias medidas do governo regional face à pandemia de covid-19, consta a criação de um fundo de emergência para apoio social, no montante de cinco milhões de euros, bem como um reforço de 500 mil euros dos apoios a famílias carenciadas, nomeadamente em alimentação e medicamentos.

O governo decretou também a isenção do pagamento do consumo de eletricidade entre os dias 16 e 31 de março, medida que abrande 130.000 clientes da Empresa de Eletricidade da Madeira e representa um impacto de cinco milhões de euros.

A nível do consumo de água, haverá uma redução de 50% nos meses de março e abril, o que traduz um impacto orçamental de 1,1 milhões de euros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%). No arquipélago da Madeira, o Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE) atualizou esta quarta-feira para 20 o número de infetados, mais quatro do que na terça-feira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Madeira estima “impacto negativo” de 580 milhões até setembro e mil milhões no final ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião