Wall Street sobe 1% com novo plano de estímulos na mira

As praças norte-americanas fecharam a sessão com ganhos pelo segundo dia consecutivo. Investidores estão de olhos postos nos estímulos que deverão ser aprovados pelo Senado.

As bolsas norte-americanas valorizaram pelo segundo dia consecutivo, embora com ganhos mais modestos do que na sessão anterior, na esperança de que um novo pacote de estímulos no valor dois biliões de dólares a vários setores da economia norte-americana seja aprovado.

O índice de referência S&P 500 somou 1,11% para 2.474,53 pontos, enquanto o industrial Dow Jones avançou 2,27% para 21.175,25, depois de no dia anterior ter registado a melhor sessão desde março de 1933. Em contrapartida, o tecnológico Nasdaq desvalorizou 0,42% para 7.286,51 pontos.

Os investidores veem com bons olhos o pacote de estímulos que o Senado está prestes a aprovar, por forma a mitigar o impacto negativo do novo coronavírus na maior economia do mundo. “O Senado vai unir-se, agir em conjunto e aprovar esse pacote histórico de ajuda ainda esta quarta-feira“, disse o líder republicano do Senado, Mitch McConnell, citado pela Reuters.

Entre outros apoios, o plano inclui 500 mil milhões de dólares para apoiar indústrias afetadas, 250 mil milhões de euros para apoiar o desemprego, 100 mil milhões para hospitais e sistemas de saúde, bem como, 350 mil milhões para empréstimos a pequenas e médias empresas.

A ser aprovado, este será o maior pacote de resgate já aprovado pelo Congresso.

Entre as empresas que mais se destacaram nesta sessão esteve a Carnival Corp, que somou 13,67% para 15,55 dólares, bem como a American Airlines, que avançou 10,56% para 15,39 dólares. Destaque ainda para a Boeing cujas ações valorizam mais de 30%, depois de a fabricante de aviões ter anunciado que vai voltar à produção do 737 MAX em maio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street sobe 1% com novo plano de estímulos na mira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião