Portugueses vão poder receber medicamentos em casa. Mesmo se sujeitos a receita

A Associação Nacional de Farmácias e os CTT fizeram uma parceria para levarem os medicamentos ao domicílio dos portugueses. Mesmo aqueles que precisam de receita.

Arranca esta quinta-feira um novo serviço que permite aos portugueses receberem em casa os medicamentos de que necessitam, mesmo aqueles sujeitos a receita médica, caso os consumidores disponham de uma. A novidade surge de uma parceria entre a Associação Nacional de Farmácias (ANF) e os CTT, que prometem fazer a entrega das encomendas até às 16h00 logo “no dia seguinte”.

“Um novo serviço farmacêutico postal permite aos cidadãos fazer encomendas às farmácias à distância, por email ou telefone. Poderão ainda receber em casa os medicamentos temporariamente indisponíveis na sua farmácia, sem necessitarem de uma segunda deslocação”, informam a ANF e os CTT num comunicado conjunto. A lista de farmácias aderentes vai poder ser consultada no portal das Farmácias Portuguesas e no site dos CTT.

“Os CTT garantem a entrega, no dia seguinte, de todas as encomendas realizadas até às 16h00. Tendo em conta o atual contexto de epidemia, o serviço será disponibilizado a um preço promocional, até 30 de abril, de três euros mais IVA por entrega. O serviço está preparado para responder às receitas médicas, mas também as necessidades de outros medicamentos e produtos de saúde.

“Como maior rede de saúde pública em Portugal, as farmácias assumem a responsabilidade de adotar todas as medidas úteis à contenção desta epidemia”, diz Cristina Gaspar, vice-presidente da ANF, citada no comunicado. Isto num momento em que a generalidade dos portugueses é recomendada a ficar em casa para evitar o alastrar do novo coronavírus.

Já para João Sousa, administrador dos CTT, este novo serviço ajuda “os portugueses a cumprirem” esse apelo da Direção-Geral da Saúde. Além disso, a empresa de correios anunciou esta quinta-feira uma série de descontos para empresas e particulares, com vista a ajudar no combate à pandemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses vão poder receber medicamentos em casa. Mesmo se sujeitos a receita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião