Conheça as regras de pagamentos de impostos e Segurança Social. Empresas que não pagaram TSU em março têm de fazê-lo até terça-feira

  • Lusa e ECO
  • 27 Março 2020

Conheça os prazos para o pagamento prestacional das obrigações fiscais e da Segurança Social.

O prazo para o pagamento das contribuições de março terminava no dia 20, mas foi suspenso. O Governo já publicou, entretanto, um diploma que esclarece que este prazo para as contribuições e quotizações devidas este mês relativas a fevereiro “termina, excecionalmente, a 31 de março de 2020”, ou seja, na próxima terça-feira.

Em causa está o decreto-lei que agrupa um conjunto de respostas à pandemia de coronavírus: O adiamento de datas para pagamento e cumprimento de obrigações declarativas relacionadas com o IRC, bem como o diferimento e fracionamento das contribuições sociais, das entregas do IVA e das retenções na fonte do IRS e do IRC.

O Governo já tinha anunciado que iria tomar medidas para que as empresas possam fracionar em três ou seis meses o pagamento das contribuições sociais, do IVA e das retenções na fonte do IRS e IRC. E explica agora que as empresas que optem pelo pagamento fracionado em seis vezes das contribuições para a Segurança Social não vão ter de pagar juros de mora.

No caso das contribuições para a Segurança Social, o diploma publicado na quinta-feira abrange os pagamentos que devem ser efetuados entre março e maio de 2020, que podem assim ser reduzidos a um terço, havendo lugar ao diferimento de dois terços do valor remanescente para o segundo semestre de 2020. Tal valor pode, então, ser liquidado através de um plano prestacional de três ou seis meses.

Atenção: Quem adira a esta medida de flexibilização, pagando apenas um terço das contribuições terá duas opções: efetuar o pagamento do valor em dívida ao longo de três meses (de julho a setembro) ou realizar o pagamento em seis meses (de julho a dezembro). Em nenhum dos casos serão cobrados juros de mora.

A opção pelo regime de fracionamento em três ou seis meses deve ser indicado à Segurança Social pelas empresas em julho de 2020, com o decreto-lei a salvaguardar que a falha no pagamento das prestações “determina a imediata cessação dos benefícios concedidos”.

No caso dos trabalhadores independentes, o diferimento das contribuições devidas pelos trabalhadores independentes aplica-se aos meses de abril, maio e junho de 2020, sendo as possibilidades de fracionamento idênticas às das empresas.

Para as empresas que já pagaram as contribuições de março o diferimento aplica-se aos meses de abril, maio e junho.

O que muda no pagamento dos impostos?

Também o pagamento das retenções na fonte do IRS devidas a 20 de abril, 20 de maio e 20 de junho vai poder ser pago em prestações, com o diploma a determinar que a primeira destas prestações (equivalente a um terço do valor total) se vence na data prevista e as restantes nos meses seguintes. Também aqui é possível fracionar o pagamento em três ou seis prestações. As retenções na fonte do IRC beneficiam das mesmas condições.

Relativamente ao IVA é possível optar pelo pagamento fracionado em três ou seis meses, em moldes semelhantes aos previstos para as retenções na fonte. Assim, a primeira prestação vence-se na data habitual para o cumprimento desta obrigação fiscal e as restantes na mesma data, nos meses seguintes. Para quem esteja no regime mensal, por exemplo, isto significa que em 20 de abril pagará um terço do valor do IVA devido nessa data e que em 20 de maio pagará mais um terço do IVA de abril e um terço do de maio.

Quem é abrangido por estes planos prestacionais?

Podem beneficiar da flexibilização do pagamento das contribuições os trabalhadores independentes, todas as empresas até 50 trabalhadores e aquelas que têm entre 50 e 249 trabalhadores caso apresentem uma quebra superior a 20% à média da faturação nos meses de março, abril e maio de 2020 face à média do período homólogo.

São ainda abrangidas as empresas com mais de 250 trabalhadores, desde que atuem nos setores do turismo, da aviação civil ou daqueles que integram a lista dos que foram obrigados a encerrar, tal como determina o decreto de execução do estado de emergência, e que apresentem igualmente uma quebra superior a 20%.

A quebra será aferida pela faturação comunicada através do e-Fatura nos meses de março, abril e maio de 2020, face ao período homólogo do ano anterior ou, para quem tenha iniciado a atividade há menos de 12 meses, à média do período de atividade decorrido.

No caso das retenções na fonte e do IVA, podem beneficiar da medida as empresas e trabalhadores independentes com volume de negócios até 10 milhões de euros em 2018, bem os que tenham atividade nos setores encerrados durante o estado de emergência e todas as empresas e trabalhadores independentes que tenham iniciado ou reiniciado atividade em 2019.

São ainda abrangidas todos os que registem uma quebra superior a 20% da faturação face à média dos três meses anteriores ao mês da obrigação face ao período homólogo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conheça as regras de pagamentos de impostos e Segurança Social. Empresas que não pagaram TSU em março têm de fazê-lo até terça-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião