Mais de 800 mil trabalhadores em “sério risco de despedimento”, alerta Eugénio Rosa

O novo lay-off fecha a porta a despedimentos coletivos e à extinção de postos de trabalho, mas deixa contratados a prazo e trabalhadores independentes desprotegidos, alerta Eugénio Rosa.

Face aos efeitos da pandemia de coronavírus na atividade das empresas, o Governo avançou com uma nova versão do lay-off, colocando em cima da mesa cortes temporários nas remunerações dos trabalhadores mas fechando a porta a despedimentos coletivos e à extinção de postos de trabalho. Ainda assim, ficam expostos a “despedimentos” os trabalhadores com contrato a prazo e os trabalhadores a recibos verdes, têm denunciado os sindicatos. De acordo com as contas do economista Eugénio Rosa, estão em causa mais de 800 mil trabalhadores.

“Correm sério risco de despedimento os trabalhadores com contrato a termo, cujo número no fim de 2019 era de 706.600, bem como os com ‘recibos verdes’ que, na mesma data, eram cerca de 124.800 segundo dados do Instituto Nacional de Estatística”, salienta o especialista.

À luz do novo lay-off, o empregador está impedido, durante o período de aplicação da medida e nos 60 dias seguintes, de cessar contratos de trabalho através de despedimento coletivo ou por extinção de posto de trabalho. No decreto-lei publicado na quinta-feira, o Governo frisava que tal salvaguarda só se aplicava aos trabalhadores abrangidos pelo lay-off, mas entretanto o Executivo já retificou o regime, protegendo agora todos os trabalhadores desse mesmo empregador.

Ainda assim, fica aberta a porta à não renovação dos contratos a prazo, à dispensa durante o período experimental e até à cessação dos contratos de prestação de serviços celebrados com trabalhadores independentes. Esta tem sido, de resto, uma das principais críticas dos sindicatos a este regime.

Questionado sobre esta matéria, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, enfatizou que a não renovação de contratos a prazo é uma situação distinta de um despedimento e reconheceu ser “muito difícil pedir a uma empresa que não tem atividade, que renove contratos a termo que, entretanto, terminam”.

Ao abrigo do novo lay-off, os trabalhadores têm direito a, pelo menos, dois terços da sua remuneração, pagos em 70% pela Segurança Social e em 30% pelo patrão. Este regime está disponível para os empregadores que estejam em “crise empresarial”, isto é, em paragem total ou parcial por força do estado de emergência, em paragem total ou parcial em resultado da interrupção das cadeias de abastecimento ou encomendas, ou com uma quebra de pelo menos 40% da faturação face à média dos dois meses anteriores ao pedido ou ao período homólogo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 800 mil trabalhadores em “sério risco de despedimento”, alerta Eugénio Rosa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião