Dinheiro do lay-off chegará às empresas no dia 28 de cada mês, revela Marques Mendes

Marques Mendes revelou na SIC este domingo que a transferência da Segurança Social para as empresas no regime de lay-off será feita no dia 28 de cada mês.

É a arma mais poderosa do Governo para ajudar as empresa a pagar os salários nos próximos meses e deverá ser utilizada por um milhão de portugueses.

Os trabalhadores das empresas que adiram a este regime podem suspender os contratos de trabalho ou simplesmente reduzir temporariamente os períodos normais de trabalho, ficando a ganhar dois terços do ordenado original, sendo que 70% do valor será pago pela Segurança Social e 30% pelo empregador.

Mas atenção. O Governo já disse que terá de ser a empresa, num primeiro momento, a adiantar a totalidade da remuneração ao trabalhador, sendo que a Segurança Social fará o reembolso dos 70% mais tarde, num dia fixo do mês.

No seu comentário na SIC, Marques Mendes revelou que o Governo terá decidido fixar o dia 28 de cada mês como o dia para se processar a transferência do dinheiro para as empresas.

“É positivo para as empresas fazerem o planeamento e gerirem a tesouraria”, defendeu Marques Mendes.

Tem acesso a este regime as empresas que estão numa das três seguintes situações de “crise empresarial”:

  • encerramento total ou parcial decretado “por decisão das autoridades políticas ou de saúde”;
  • paragem total ou parcial da sua atividade resultante da interrupção das cadeias de abastecimento globais ou da suspensão ou cancelamento de encomendas e reservas;
  • quebra “acentuada” de, pelo menos, 40% da faturação, no mês anterior ao pedido comparando com a média dos dois meses anteriores a esse pedido ou face ao período homólogo.

O formulário para as empresas se candidatarem a este apoio já está disponível e pode ser encontrado neste link.

(Notícia atualizada às 21h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dinheiro do lay-off chegará às empresas no dia 28 de cada mês, revela Marques Mendes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião