Von der Leyen admite “todas as opções” para minorar impacto económico do coronavírus na UE

  • Lusa
  • 29 Março 2020

“A presidência da Comissão Europeia não exclui nenhuma opção dentro dos limites do Tratado", disse Ursula Von der Leyen.

A presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula Von der Leyen, disse que estão em aberto “todas as opções” admitidas na legislação comunitária para responder ao impacto económico provocado pelo novo coronavírus.

“A presidência da CE não exclui nenhuma opção dentro dos limites do Tratado”, observou Von der Leyen. A chefe do executivo comunitário emitiu uma declaração na noite de sábado, na qual também indicou que, para “garantir a recuperação”, Bruxelas proporá alterações à proposta para o próximo orçamento europeu (o chamado Quadro Financeiro Plurianual). “Isso inclui um pacote de estímulo que garantirá a manutenção da coesão na União Europeia por meio de solidariedade e responsabilidade”, afirmou.

Von der Leyen lembrou que o Conselho Europeu solicitou ao Eurogrupo que apresentasse propostas nas próximas semanas em resposta ao impacto económico do coronavírus. “A Comissão participará nessas discussões e está preparada para ajudar”, acrescentou. Paralelamente, Bruxelas está a trabalhar em “propostas para a fase de recuperação”, no âmbito dos Tratados da União Europeia. Como “primeiro passo”, disse a presidente da CE, “trabalha-se na flexibilização total dos fundos existentes, como os fundos estruturais”.

Von der Leyen recordou as declarações que fez no sábado à agência noticiosa alemã DPA em relação aos chamados coronabonds, um instrumento que Espanha, Itália e outros países da União pedem para mutualizar os mecanismos de dívida. “A palavra ‘coronabonds’ é realmente apenas um ‘slogan’. O que está por detrás é uma grande questão sobre responsabilidades”, disse Von der Leyen.

“Existem limitações legais, esse não é o plano. Não estamos a trabalhar nisso”, afirmou a presidente da CE naquela entrevista, na qual indicou que Bruxelas recebeu do Conselho Europeu “a missão de elaborar o plano de reconstrução” e que esse “é o caminho”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Von der Leyen admite “todas as opções” para minorar impacto económico do coronavírus na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião