Espanha bate recorde. Regista 838 mortos nas últimas 24 horas

Há mais de 78 mil pessoas infetadas com coronavírus em Espanha e mais de 6.500 mortes registadas. Governo vai suspender todas as atividades não essenciais a partir de segunda-feira.

Espanha bateu um novo recorde diário no que diz respeito ao número de mortos. Em apenas 24 horas, o país registou 838 vítimas mortais por coronavírus, com o número total de mortes a ultrapassar já as 6.500, segundo o El País (conteúdo em espanhol). Há mais de 78 mil casos confirmados.

O mais recente balanço feito pelo Ministério da Saúde espanhol dá conta de 78.797 pessoas infetadas com coronavírus no país, das quais 43.397 estão hospitalizadas, com 4.907 nos cuidados intensivos. Até ao momento, há registos de 14.709 casos de recuperação.

Desde que o surto apareceu no país já provocou 6.528 mortos, um total de 838 nas últimas 24 horas. Nunca morreram tantas pessoas por coronavírus em apenas um só dia em Espanha como este sábado, anunciou o Governo.

Este domingo, o Executivo espanhol vai aprovar em Conselho de Ministros extraordinário um reforço do confinamento no país, encerrando a partir desta segunda-feira todas as atividades não essenciais no país, com o objetivo de travar a propagação. “Todos os trabalhadores de atividades não essenciais devem manter-se em casa”, disse este sábado Pedro Sánchez, citado pelo jornal espanhol. Esta medida estará em vigor até dia 9 de abril.

As autoridades de saúde de Espanha acreditam que o país pode estar a alcançar o pico de infeções. “Estamos a chegar ao pico que tanto nos preocupa. Algumas zonas do país, possivelmente, estão a superá-lo”, disse este sábado o diretor do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências em Saúde do Ministério da Saúde, Fernando Simón.

A ministra de Política Territorial espanhola está infetada com coronavírus e, este domingo, após fazer um novo teste, o resultado foi positivo. O anúncio foi feito pela mesma no Twitter, ao fim de 15 dias a tentar recuperar da infeção. “Ao fim de 15 dias, continuo infetada com Covid-19. Em casa, seguindo todas as recomendações, continuo a trabalhar (…) com força e determinação. Estou bem”, escreveu Carolina Darias.

Madrid exige 1.200 milhões de euros ao Governo para enfrentar pandemia

A presidente da comunidade autónoma de Madrid, Isabel Diaz Ayuso, exigiu este domingo ao Governo espanhol mais 1.200 milhões de euros para fazer face à pandemia, que já causou mais de 3.000 vítimas na região. Numa reunião por videoconferência com o presidente do executivo espanhol, a dirigente regional explicou que a verba seria distribuída pelas áreas da saúde (1.000 milhões), apoios sociais (100 milhões) e educação (100 milhões), sem lugar a reembolso ao Estado.

A nível económico, a presidente da comunidade madrilena pediu ainda que as regiões possam usar os seus ‘superavit’ para lidar com a crise sanitária, em vez de amortizarem antecipadamente a dívida ao governo central, além do adiantamento do montante atribuído pelo executivo ao Consórcio Regional de Transportes para o ano 2020, no total de 127 milhões. Isabel Diaz Ayuso propôs também a criação de “um fundo nacional para compensar o atraso na resolução de casos nos tribunais de justiça”.

A presidente da comunidade autónoma denunciou ainda a falta de equipamentos médicos e de proteção para os profissionais de saúde, além de ter criticado o Ministério da Educação pela preparação dos calendários escolares sem consultar as diferentes regiões, bem como o encerramento de todos os hotéis, defendendo a abertura de algumas unidades para acolherem vítimas de violência de género, idosos ou sem-abrigo.

Paralelamente, Isabel Diaz Ayuso decretou luto oficial na região e a colocação da bandeira a meia haste nos edifícios públicos a partir desta segunda-feira, em memória das vítimas da pandemia de covid-19. O decreto, que será assinado ainda este domingo para publicação imediata, lembra o “grande número de mortes” na região madrilena e assinala que o luto é um “testemunho da dor da comunidade de Madrid perante o sofrimento de toda a população afetada pela pandemia”.

Através de uma nota de imprensa publicada no seu site oficial, o Governo regional apelou ainda aos cidadãos para cumprirem um minuto de silêncio todos os dias às 12h00 em memória das vítimas provocadas pelo SARS-CoV-2 na região de Madrid e em toda a Espanha.

(Notícia atualizada às 16h53 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha bate recorde. Regista 838 mortos nas últimas 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião