Petróleo afunda 8% para mínimos de 2002

A matéria-primeira desvaloriza nos mercados internacionais. O brent negoceia próximo de 23 dólares e o crude WTI de 20 dólares.

O preço do petróleo está a afundar nos mercados internacionais para mínimos de quase duas décadas. A queda acontece numa altura em que os investidores temem que as paralisações das economias mundiais, para travar o surto de Covid-19, durem vários meses e penalizem a procura pela matéria-prima.

O brent, que serve de referência europeia, tomba 8,34% para 22,85 dólares por barril, enquanto o crude WTI afunda 5% para 20,43 dólares. Desde 2002 que o petróleo não valia tão pouco.

Multiplicam-se os alertas sobre o forte impacto do surto de coronavírus nas economias mundiais. O JP Morgan, por exemplo, antecipa que o PIB global contraia 10,5% em 2020, de acordo com dados citados pela Reuters. A quebra no produto deverá levar a uma quebra na procura por petróleo.

A Agência Internacional de Energia já alertou que a procura mundial por petróleo está em queda livre. Três mil milhões de pessoas em todo o mundo estão em confinamento por causa da pandemia de Covid-19. Em resultado, a AIE estima que poderemos ver uma quebra na procura por petróleo de até 20 milhões de barris por dia.

Em simultâneo, do lado da oferta também há perturbações. Depois de os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), liderada pela Arábia Saudita, e os aliados da OPEP+, como a Rússia, não terem chegado a consenso sobre uma estratégia conjunta, o acordo de cortes de produção, que estava em vigor, chega ao fim.

Desde início de 2017 que os maiores produtores de petróleo do mundo alinham a produção para evitar um excedente no mercado e permitir estabilidade nos preços. O acordo em vigor termina no fim deste mês, dando abertura a que países como Arábia Saudita e Rússia produzam mais.

Os dois fatores conjugados estão a provocar um tombo no preço do petróleo e, em consequência, também nas ações. Numa sessão em que o vermelho é a cor dominante nas principais praças europeias, a petrolífera Galp Energia é a cotada que mais cai na bolsa de bolsa de Lisboa.

Petróleo desvaloriza 8%

(Notícia atualizada às 11h00)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo afunda 8% para mínimos de 2002

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião