Salários na gestão do BCP subiram para 3 milhões em 2019. Banco voltou a pagar prémios

Equipa executiva liderada por Miguel Maya recebeu uma remuneração fixa de três milhões em 2019, mais uma remuneração variável de 470 mil euros.

Os salários na comissão executiva do BCP subiram 11% em 2019, tendo totalizado os três milhões de euros, num ano em que o banco voltou a pagar prémios. Há mais de uma década que o banco não dava bónus.

Os seis membros da equipa executiva do BCP receberam 3,054 milhões de euros em termos brutos no ano passado, no que diz respeito à remuneração fixa. Já a remuneração variável em função do desempenho do banco voltou a aparecer na folha de pagamentos do banco, que atribuiu cerca de 478 mil euros entre pagamentos em dinheiro e ações na parte não diferida. Já os prémios diferidos (a serem apenas pagos no futuro) ascenderam a 267,8 mil euros mais ações.

O CEO Miguel Maya auferiu o maior salário: 650 mil euros de remuneração fixa, mais 100 mil euros de remuneração variável. Seguem-se Miguel Bragança (CFO) e João Nuno Palma, que receberam 611 mil euros entre fixo e variável.

Desde 2008, pelo menos, que o BCP não atribui qualquer remuneração variável aos gestores, devido ao contexto da crise financeira e que afetou o próprio banco durante vários anos.

Desta vez, por causa da pandemia de Covid-19, o Banco Central Europeu (BCE) está a recomendar que os bancos “exerçam extrema moderação no que diz respeito a remuneração variável”, disse Andrea Enria, presidente do conselho de supervisão, ao Financial Times.

Não se sabe qual a posição do BCP em relação a esta recomendação — contactado, não quis fazer comentários –, mas já se sabe que o banco não vai pagar dividendos. Essa decisão foi tomada na passada quinta-feira, ainda antes de o BCE ter recomendado aos bancos a suspensão do pagamento de qualquer remuneração aos acionistas devido ao impacto económico do vírus. Ao mesmo tempo, o banco anunciou que vai pagar 5,3 milhões pelos trabalhadores, como compensação pelos cortes.

No conselho de administração, foram pagos salários na ordem dos 1,39 milhões de euros, com o chairman Nuno Amado a receber 690 mil euros. Mais uma vez não estão contabilizados os descontos de IRS que foram retidos na ordem dos 556 mil euros.

Destes montantes também não estão incluídos os complementos de reforma no valor de 700 mil euros que foram atribuídos a vários administradores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salários na gestão do BCP subiram para 3 milhões em 2019. Banco voltou a pagar prémios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião