Turismo já recebeu 2.000 candidaturas para a linha de apoio de 60 milhões de euros

No espaço de uma semana, mais de 2.000 microempresas pediram apoios do Governo. Foram lançadas mais três linhas de crédito, num total de 1.700 milhões de euros.

O Governo criou uma linha de crédito de 60 milhões de euros para apoiar as microempresas turísticas que estejam a ter dificuldades nesta altura de crise pandémica. E a necessidade é tanta que, no espaço de apenas uma semana, já foram recebidas mais de 2.000 candidaturas, num total de cerca de 20 milhões de euros. Contudo, apenas foram concedidos 3,7 milhões de euros em apoios, anunciou o Turismo de Portugal.

Os pedidos de apoio vieram de todo o tipo de microempresas, a maioria da restauração e bebidas (32%) e do Alojamento Local (24%). Os restantes setores distribuem-se entre animação turística e organização de eventos (19%), agências de viagens (18%), empreendimentos turísticos (6%) e rent-a-car (1%), detalhou a entidade, em comunicado enviado esta terça-feira.

Podem candidatar-se a estes apoios as empresas e empresários em nome individual, com menos de dez postos postos de trabalho e com um volume de negócios anual inferior a dois milhões de euros. Excluídas estão as microempresas em dificuldades.

O apoio é calculado em função do número de trabalhadores existentes em fevereiro, multiplicado por 750 euros por cada um e por um período de três meses, até um máximo de 20 mil euros por empresa. Este apoio não vence juros e é reembolsado no prazo de três anos, incluindo um período de carência de 12 meses. Para se candidatarem, os interessados devem preencher o formulário no Portal Business do Turismo de Portugal.

Criadas três novas linhas de apoio de 1.700 milhões

Para além da Linha de Apoio à Tesouraria para Microempresas do Turismo, dotada com 60 milhões de euros, o Governo criou ainda outras três, com uma dotação total de 1.700 milhões de euros, todas com o mesmo objetivo: minimizar os impactos provocados pelo surto de coronavírus no setor. São elas: Linha de Apoio a Empresas do Turismo (900 milhões de euros), Linha de Apoio a Empresas de Restauração e Similares (600 milhões de euros) e Linha de Apoio a Agências de Viagens, Animação Turística, Organização de Eventos e Similares (200 milhões de euros).

A estas linhas podem candidatar-se microempresas, Pequenas e Médias Empresas (PME), Small MidCap e MidCap. Estas entidades têm de ter comprovada uma “situação líquida positiva no último balanço aprovado, uma situação líquida negativa atual e regularização em balanço intercalar aprovada até à data da operação, ou independentemente da respetiva situação líquida, iniciado atividade há menos de 12 meses contados desde a data da candidatura”, diz o Turismo de Portugal.

Para além destas linhas de financiamento, a instituição refere ainda que tem disponíveis vários tipos de apoios às empresas do setor, desde um centro de atendimento especializado, que já deu resposta a mais de 3.000 contactos, um serviço de consultoria especializada aos empresários, que já respondeu a mais de 1.800 pedidos de informação, e um programa de consultoria online para empresas.

(Notícia atualizada às 17h33 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo já recebeu 2.000 candidaturas para a linha de apoio de 60 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião