Consultoras de turismo e hotelaria reinventam-se para apoiar setor

Para fazer face aos constrangimentos causados pela pandemia, a consultora em hotelaria e turismo TH2 reinventou a forma de trabalhar e criou novos serviços para continuar a apoiar um setor em crise.

Catarina Varão, responsável pela gestão comercial e formativa da TH2, conta à Pessoas que um dos efeitos da crise na empresa tem sido o cancelamento de contratos, por parte de clientes, que em alguns casos utilizavam os serviços da consultora há anos. Para responder à crise e conseguir continuar a apoiar o setor, a TH2 tem apostado na flexibilização de contratos e no adiamento de pagamentos, serviços de consultoria gratuitos e cursos e formações online.

“Redobramos a comunicação e estamos a conseguir dobrar o alcance e a visibilidade quer nas redes sociais, quer no website. As publicações no blog da TH2 ganham outra amplitude e temática, focado na realidade da crise, mas sem nos abismarmos nela, referindo alternativas e formas de fazer acontecer”, conta a responsável.

Gestão de custos e de marketing na restauração, desafios na operação de um restaurante, marketing digital e culinária são alguns dos temas dos webinares promovidos pela TH2. Todas as semanas, a TH2 transmite em direto no Instagram, um debate com profissionais do setor e às sextas-feiras promove um coffee-break.

Para gerir os trabalhadores da TH2, é “desenhado um cronograma de ações, baseado na revisão financeira e de objetivos e acompanham-se os colaboradores, um a um. Outros serviços visam responder a uma procura atual de formação ajustando o conteúdo programático e o modo formativo aos vários perfis individuais de trabalho: online em direto, em e-learning com autonomia na participação ou conjugada com ações de mentoria que combinam coaching com formação especializada na área”, explica Catarina Varão.

A TH2 disponibiliza ainda ebooks e publicações para ajudar profissionais da hotelaria e turismo em tempos de crise e serviços de coaching individual e de equipas com sessões de 20 minutos.

“Vamos vendo aqui a verdadeira oportunidade no meio deste caos: alcance, olhar mais atento a concorrentes e modelos de negócio que nos inspiram a arrebitar, e um ajeitar da gravata para garantir zero descuido na aproximação aos clientes e potenciais clientes que ainda não sabem como operamos. A atitude de parte a parte ditará agora, mais que nunca, o caráter dos negócios vitimados pelo vírus e formas de operação, gestão e estratégia. O caminho faz-se caminhando e não sabemos se ainda falta muito ou não, mas estamos a gostar do passeio”, remata Catarina Varão.

O setor turístico é um dos setores mais afetados pela pandemia do Covid-19. Em Portugal, a hotelaria e o alojamento local já registaram quebras nas receitas superiores a 30%. Para ajudar as microempresas a enfrentar a crise, o Turismo de Portugal anunciou uma linha de apoio financeiro à tesouraria de 60 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consultoras de turismo e hotelaria reinventam-se para apoiar setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião