Covid-19: Bruxelas propõe apoios temporários ao emprego como alternativa ao lay-off

  • Lusa
  • 1 Abril 2020

Em causa está uma proposta do executivo comunitário, que será apresentada esta semana aos países europeus, assente no “trabalho de curta duração apoiado pelo Estado”, com verbas de Bruxelas.

A Comissão Europeia propôs esta quarta-feira um esquema de apoios temporários ao emprego para garantir a preservação dos postos de trabalho nos países europeus afetados pela Covid-19, como Itália e Espanha, que funcionariam como alternativa ao lay-off.

“A ideia é simples: se não houver procura e as empresas ficarem sem trabalho devido ao choque externo temporário provocado pela covid-19, elas não devem suspender os contratos [através do ‘lay-off’] dos seus funcionários. Devem continuar a empregá-los, mesmo com menos trabalho e, durante esse tempo, os trabalhadores podem, por exemplo, obter novas competências e ensinamentos que beneficiarão a empresa e a si mesmos”, explica numa mensagem de vídeo publicada esta quarta-feira a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Em causa está uma proposta do executivo comunitário, que será apresentada esta semana aos países europeus, assente no “trabalho de curta duração apoiado pelo Estado”, com verbas de Bruxelas, adianta a líder da Comissão Europeia, precisando que “o objetivo é ajudar Itália, Espanha e todos os outros países que estão a ser duramente atingidos” pela pandemia.

Nesta iniciativa, que Bruxelas designou como “Sure“(“Certo”, em tradução livre), pretende-se, então, recordar as “lições aprendidas durante a crise financeira de 2008”, quando alguns Estados-membros adotaram instrumentos semelhantes que “ajudaram milhões de pessoas a manter os seus empregos e as empresas a passar pela crise financeira com os seus funcionários”.

Graças ao “Sure”, mais pessoas manterão seu emprego durante a crise da covid-19 e voltarão ao ritmo de trabalho normal assim que este bloqueio terminar, quando a procura voltar a aumentar e os pedidos também”, argumenta Ursula von der Leyen.

Considerando que a medida ajudará a uma mais “rápida recuperação económica”, a responsável defende ainda que, desta forma, também “se evita um ‘buraco’ na carteira destes funcionários durante a crise, podendo continuar a pagar as suas rendas e a comprar os mantimentos necessários”.

Através da rede social Twitter, o comissário europeu para a Economia, Paolo Gentiloni, explica que em causa está um “fundo europeu para […] defender o trabalho nos países mais afetados”. “Um primeiro passo e importante”, adianta Paolo Gentiloni.

No vídeo, Ursula von der Leyen classifica a covid-19 como a “maior tragédia humana desde as guerras”, que já “mudou dramaticamente” as rotinas dos europeus.

Por isso, com este novo instrumento europeu, Bruxelas quer “ajudar as fortes e saudáveis empresas que estão a lutar pela sobrevivência durante a atual crise”, nomeadamente em capitais económicas como Milão ou Madrid, que “compõem a espinha dorsal da economia da Europa”, adianta a responsável.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 828 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. O continente europeu, com mais de 458 mil infetados e mais de 30.000 mortos, é aquele onde se regista atualmente o maior número de casos.

(Notícia atualizada às 13h10 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Bruxelas propõe apoios temporários ao emprego como alternativa ao lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião