Cegoc alarga oferta de formação em coaching e liderança

Em parceria com a World Business Executive Coach Summit e o Global Team Coaching, a Cegoc quer alargar o leque de parceiros internacionais e os conteúdos formativos sobre coaching e liderança.

A Cegoc concluiu uma parceria com as escolas de coaching internacionais World Business Executive Coach Summit e o Global Team Coaching Institute, com objetivo de ampliar a oferta formativa para uma escala global e continuar a formas os profissionais e empresas em competências como a liderança colaborativa e o coaching.

Esta parceria permite à escola de coaching executivo da Cegoc ter acesso a uma comunidade global de especialistas nestas áreas, e a cursos e webinares internacionais, em formato online e com condições de acesso especiais.

Entre a oferta que surge com a parceria, a Cegoc destaca acesso ao webinar gratuito Team Coaching Accelerator: “Advance to the Leading Edge of Team Coaching and Team Leadership”, sobre team coaching e liderança de equipas, que será conduzido pelos professores Peter Hawkins e David Clutterbuck. A sessão de 90 minutos está disponível online e requer inscrição prévia.

“O coaching de equipas e o imperativo crescente de instalar práticas de liderança colaborativa nas organizações é, porventura, o maior avanço paradigmático a que assistimos nas últimas décadas no mundo do coaching. Queremos, por isso através desta parceria, juntar os maiores especialistas mundiais para apoiar os coaches que ambicionam ser os melhores na sua área e as organizações que procuram encontrar os melhores conteúdos, práticas e profissionais”, sublinha Ricardo Martins, diretor-geral da Cegoc.

Team Coaching AcceleratorGlobal Team Coaching Institute

Também esta quarta-feira, 1 de abril, às 15h00, pode ter acesso a sessão ao vivo do especialista em team coaching Peter Hawkins. “Os participantes vão ter a oportunidade de falar com o Professor Peter Hawkins e de lhe colocar todas as suas questões sobre este percurso certificante em team coaching. O professor aproveitará ainda essa sessão ao vivo para partilhar algumas formas de apoiar equipas virtuais no contexto de mudança que atravessamos a propósito do Covid-19″, sublinha a Cegoc. Para participar, deve inscrever-se aqui.

No contexto da pandemia, a Cegoc lançou também um ciclo de webinares gratuitos sobre trabalho remoto, resiliência, bem-estar, coaching, medidas de apoio às empresas, comunicação, entre outros.

“O coaching de equipas e o imperativo crescente de instalar práticas de liderança colaborativa nas organizações é, porventura, o maior avanço paradigmático a que assistimos nas últimas décadas no mundo do coaching. Queremos, por isso através desta parceria, juntar os maiores especialistas mundiais para apoiar os coaches que ambicionam ser os melhores na sua área e as organizações que procuram encontrar os melhores conteúdos, práticas e profissionais”, sublinha Ricardo Martins, diretor-geral da Cegoc.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cegoc alarga oferta de formação em coaching e liderança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião