De repente, remoto? Estas formações online podem dar-lhe uma ajuda

A progressão do coronavírus está a obrigar as empresas a adotar o trabalho remoto. Para ajudar nesta transição, há empresas que oferecem consultoria e organizam videoconferências online e sem custos.

Com a progressão do novo coronavírus, cada vez mais pessoas a trabalhar remotamente, desafiando as empresas e os trabalhadores a conseguirem coordenar tarefas e comunicar de uma maneira diferente da habitual. Para responder a esta adesão massificada ao teletrabalho, começam a surgir soluções para ajudar as empresas a transitar para o trabalho remoto sem deixarem de ser produtivas e tirando o maior partido dos seus recursos.

Consultoras e empresas que já trabalham remotamente estão a disponibilizar conferências online — as designadas webinar para ajudar as instituições a adaptarem-se a esta nova fase, dando soluções para as suas equipas. Há até oradores que oferecem os seus livros. Todas são gratuitas e muitas continuam disponíveis online.

A consultora IDC vai disponibilizar uma webinar para ajudar as empresas a responder ao avanço da pandemia em termos dos novos modelos de trabalho — “COVID-19 First Response: The Transition to Remote Work“, a 19 de março. A participação também não tem quaisquer custos e para participar basta inscrever-se no site oficial.

A Grow Remote, uma organização sem fins lucrativos que ajuda empresas e trabalhadores no trabalho remoto, vai organizar a conferência online “Crisis Control: How to Implement Remote Work in Your Team When You’re Not Ready“, em resposta ao Covid-19, para ajudar as empresas que não estão preparadas a implementar o trabalho remoto nas suas equipas da forma mais eficaz.

Nesta conferência, os três oradores vão explicar de que forma as empresas podem implementar o trabalho remoto, quais são as melhores práticas e como podem garantir que os trabalhadores continuam produtivos, apesar das circunstâncias do teletrabalho. A participação é gratuita e é necessário fazer a inscrição online.

Webinar Grow Remote, 18 de março.

 

A Grow Remote organizou uma videoconferência, a 12 de março, sobre a integração do trabalho remoto dentro das equipas nas organizações e que continua disponível no Youtube.

A empresa de formação Workplaceless também tem disponível uma conferência sobre como construir relações remotamente e como continuar a desenvolver o networking à distância. A webinar Remote Without Warning: How to adapt and thrive as a suddenly-remote company“, está agendada para 14 de abril e, para participar, é necessária inscrição na página oficial.

A empresa de software GitLab organizou esta sexta-feira, a webinarRemote Without Warning: How to adapt and thrive as a suddenly-remote company” e Zapier, empresa remota especializada em apps organizou a conferência “Transitioning to remote work in a hurry“, que também está disponível em streaming online e gratuito. É possível encontrar uma lista de outras conferências online sobre trabalho remoto na plataforma da Remote Work Association.

GitLabD.R.

Em alternativa, há empresas que optam por criar serviços de consultoria. A empresa portuguesa 100% remota de marketing digital WEBrand Agency colocou à disposição um serviço gratuito de apoio às empresas que precisem de transitar para o remoto. As sessões são feitas online, por videochamada e, para ter acesso aos serviços, deve inscrever a sua empresa no mesmo portal.

A CEGOC lançou novas datas para o ciclo de conferências online gratuitas “Keep Calm and Start Learning” para ajudar as empresas a integrar e a gerir o trabalho remoto. Além das conferências, a CEGOC disponibiliza ainda três módulos digitais sobre o impacto das emoções no local de trabalho, a gestão do stress e o feedback construtivo. Todos os webinares tem início marcado para as 11h30 e são limitados a 100 participantes. A inscrição deve ser submetida na página oficial.

O webinar “Smart Working: práticas agile eficazes para trabalhar à distância” está agendado 27 de março, às 11h30, e ficará a cargo de Maria João Ceitil, HR consulting coordinator na CEGOC. Fátima Gonçalves, head of learning & development solutions da CEGOC, vai liderar o webinar “Remote Management: gerir equipas remotamente”, a 1 de abril, e Vanda Rodrigues, general manager da IPSIS, vai conduzir a conferência “Crisis Comunication: gerir a comunicação em situações de crise”, a 2 de abril. Por fim, Joana Teixeira, multimodal learning & development advisor na CEGOC, vai aprofundar o conceito de “Smart Learning: melhores práticas para instalar programas de aprendizagem à distância mais eficientes”, agendado para 13 de abril.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De repente, remoto? Estas formações online podem dar-lhe uma ajuda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião