De repente, remoto? Estas formações online podem dar-lhe uma ajuda

A progressão do coronavírus está a obrigar as empresas a adotar o trabalho remoto. Para ajudar nesta transição, há empresas que oferecem consultoria e organizam videoconferências online e sem custos.

Com a progressão do novo coronavírus, cada vez mais pessoas a trabalhar remotamente, desafiando as empresas e os trabalhadores a conseguirem coordenar tarefas e comunicar de uma maneira diferente da habitual. Para responder a esta adesão massificada ao teletrabalho, começam a surgir soluções para ajudar as empresas a transitar para o trabalho remoto sem deixarem de ser produtivas e tirando o maior partido dos seus recursos.

Consultoras e empresas que já trabalham remotamente estão a disponibilizar conferências online — as designadas webinar para ajudar as instituições a adaptarem-se a esta nova fase, dando soluções para as suas equipas. Há até oradores que oferecem os seus livros. Todas são gratuitas e muitas continuam disponíveis online.

A consultora IDC vai disponibilizar uma webinar para ajudar as empresas a responder ao avanço da pandemia em termos dos novos modelos de trabalho — “COVID-19 First Response: The Transition to Remote Work“, a 19 de março. A participação também não tem quaisquer custos e para participar basta inscrever-se no site oficial.

A Grow Remote, uma organização sem fins lucrativos que ajuda empresas e trabalhadores no trabalho remoto, vai organizar a conferência online “Crisis Control: How to Implement Remote Work in Your Team When You’re Not Ready“, em resposta ao Covid-19, para ajudar as empresas que não estão preparadas a implementar o trabalho remoto nas suas equipas da forma mais eficaz.

Nesta conferência, os três oradores vão explicar de que forma as empresas podem implementar o trabalho remoto, quais são as melhores práticas e como podem garantir que os trabalhadores continuam produtivos, apesar das circunstâncias do teletrabalho. A participação é gratuita e é necessário fazer a inscrição online.

Webinar Grow Remote, 18 de março.

 

A Grow Remote organizou uma videoconferência, a 12 de março, sobre a integração do trabalho remoto dentro das equipas nas organizações e que continua disponível no Youtube.

A empresa de formação Workplaceless também tem disponível uma conferência sobre como construir relações remotamente e como continuar a desenvolver o networking à distância. A webinar Remote Without Warning: How to adapt and thrive as a suddenly-remote company“, está agendada para 14 de abril e, para participar, é necessária inscrição na página oficial.

A empresa de software GitLab organizou esta sexta-feira, a webinarRemote Without Warning: How to adapt and thrive as a suddenly-remote company” e Zapier, empresa remota especializada em apps organizou a conferência “Transitioning to remote work in a hurry“, que também está disponível em streaming online e gratuito. É possível encontrar uma lista de outras conferências online sobre trabalho remoto na plataforma da Remote Work Association.

GitLabD.R.

Em alternativa, há empresas que optam por criar serviços de consultoria. A empresa portuguesa 100% remota de marketing digital WEBrand Agency colocou à disposição um serviço gratuito de apoio às empresas que precisem de transitar para o remoto. As sessões são feitas online, por videochamada e, para ter acesso aos serviços, deve inscrever a sua empresa no mesmo portal.

A CEGOC lançou novas datas para o ciclo de conferências online gratuitas “Keep Calm and Start Learning” para ajudar as empresas a integrar e a gerir o trabalho remoto. Além das conferências, a CEGOC disponibiliza ainda três módulos digitais sobre o impacto das emoções no local de trabalho, a gestão do stress e o feedback construtivo. Todos os webinares tem início marcado para as 11h30 e são limitados a 100 participantes. A inscrição deve ser submetida na página oficial.

O webinar “Smart Working: práticas agile eficazes para trabalhar à distância” está agendado 27 de março, às 11h30, e ficará a cargo de Maria João Ceitil, HR consulting coordinator na CEGOC. Fátima Gonçalves, head of learning & development solutions da CEGOC, vai liderar o webinar “Remote Management: gerir equipas remotamente”, a 1 de abril, e Vanda Rodrigues, general manager da IPSIS, vai conduzir a conferência “Crisis Comunication: gerir a comunicação em situações de crise”, a 2 de abril. Por fim, Joana Teixeira, multimodal learning & development advisor na CEGOC, vai aprofundar o conceito de “Smart Learning: melhores práticas para instalar programas de aprendizagem à distância mais eficientes”, agendado para 13 de abril.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

De repente, remoto? Estas formações online podem dar-lhe uma ajuda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião