Espanha regista 120 mortos devido ao coronavírus. Governo declara estado de alerta a partir de sábado

  • Lusa
  • 13 Março 2020

Numa altura em que Espanha regista já 120 mortes e mais de 4.000 casos confirmados de coronavírus, o Governo decidiu decretar, a partir de amanhã, estado de alerta em todo o país.

O Governo espanhol decidiu declarar o estado de alerta em todo o país a partir de sábado, o que lhe permite limitar a circulação de pessoas, anunciou esta sexta-feira o primeiro-ministro, numa altura em que o país já regista 120 mortos e mais de 4.000 casos positivos de coronavírus.

“Quero anunciar a realização amanhã [sábado] de um Conselho de Ministros extraordinário para decretar o estado de alerta durante 15 dias”, disse Pedro Sánchez.

Esta disposição prevista na Constituição espanhola para, entre outros, casos de “epidemias e situações de contaminação graves”, vai permitir que o executivo possa limitar a circulação de pessoas durante um tempo limitado de inicialmente 15 dias em todo o país, mas sem pôr em causa os direitos fundamentais dos cidadãos. “A emergência sanitária e social cria situações extraordinárias”, disse Sánchez, acrescentando que o executivo “mobilizará todos os recursos do Estado para melhor proteger os cidadãos”.

O estado de alerta vai permitir limitar a circulação ou permanência de pessoas ou veículos em horários e locais específicos; fazer requisições temporárias de todo o tipo de bens e impor serviços pessoais obrigatórios; intervir e ocupar temporariamente indústrias, fábricas, oficinas, explorações ou instalações de qualquer tipo, exceto em casas particulares.

O texto da Constituição espanhola também prevê que possa limitar ou racionar a utilização de serviços ou o consumo de bens essenciais; e dar as ordens necessárias para assegurar o abastecimento dos mercados e o funcionamento dos serviços dos centros que produzem bens essenciais. “Dissemos que vinham aí dias difíceis e tomámos medidas”, afirmou o primeiro-ministro espanhol, ao mesmo tempo que alertou para um grande aumento dos casos de coronavírus nos próximos dias. “Estamos apenas na primeira fase de uma batalha mundial”, disse.

Alguns políticos da oposição já tinham pedido ao executivo para dar um passo que já foi dado por outros países, como Portugal que ainda não tem mortos com o novo coronavírus.

O estado de alerta em Espanha só tinha sido aplicado uma vez na história democrática recente, quando em dezembro de 2010 o Governo decidiu meter militares nas torres de controlo de tráfego aéreo, depois de os controladores de tráfego aéreo civis terem abandonado os seus locais de trabalho e terem entrado numa greve falsa com a utilização de baixas médicas para faltarem ao trabalho.

Espanha já regista 120 mortos e mais de 4.000 infetados

Espanha regista até agora 120 mortos com o novo coronavírus (36 mais do que quinta-feira) e 4.209 casos confirmados (1.205 mais), com Madrid a ser a região mais atingida, segundo a atualização feita hoje pelas autoridades sanitárias do país. Quase metade do número total de positivos está localizada em Madrid (1.990), que fechará a partir de sábado todos os estabelecimentos exceto lojas de alimentos e farmácias para evitar a propagação do coronavírusuma medida já adotada por Itália esta semana.

Depois de Madrid, a comunidade com mais casos é o País Basco (417), que decretou o estado de “alerta ou emergência sanitária” nesse território, o que lhe permite a partir de amanhã, se for considerado necessário, adotar medidas excecionais, como o isolamento de pessoas nas suas casas.

A Catalunha, com 316 casos positivos, é a terceira comunidade que registou mais casos, tendo o Governo regional ordenado o isolamento da população residente nas localidades dos arredores de Barcelona de Igualada, Vilanova del Camí, Santa Margarida de Montbui e Òdena para evitar a propagação do surto de coronavírus que afeta esta zona.

Na região de La Rioja há 243 positivos e para o resto das comunidades, os números são os seguintes: Andaluzia, com 219; Castela-Mancha, com 194; Castela e Leão, 169; Navarra, 130; Valência, 94; Galiza, 85; Aragão, 80; Canárias, 70; Astúrias, 67; Extremadura, 39; Múrcia, 35; Baleares, 30 e Cantábria, 29. A cidade espanhola no norte de África de Melilla acaba de confirmar os dois primeiros casos positivos, enquanto Ceuta ainda não tem nenhum caso confirmado.

O Governo espanhol anunciou na quinta-feira um “primeiro pacote” de medidas para lutar contra o novo coronavírus, do qual faz parte uma transferência de 2.800 milhões de euros para apoiar os sistemas de saúde do país, e recomendou a todas as comunidades autónomas o fecho das escolas em todos os níveis de ensino. O poder regional espanhol tem a maior parte das competências em matéria de política de saúde ou de educação.

O Governo aprovou também, entre outras medidas, a criação de uma linha de crédito de 400 milhões de euros para ajudar as empresas dos setores de turismo, transporte e hotelaria a aliviar os efeitos da crise causada pelo coronavírus.

O campeonato espanhol de futebol estará suspenso nas duas próximas jornadas, tanto na primeira como na segunda divisões, e os jogadores de futebol e basquetebol do Real Madrid estão de quarentena, depois de ter sido confirmado um caso positivo de coronavírus.

Na fronteira sul de Espanha, Marrocos decidiu fechar as fronteiras e suspender o tráfego aéreo e marítimo entre os dois países. O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.900 mortos em todo o mundo, levando a OMS a declarar a doença como pandemia. O número de infetados ultrapassou as 131 mil pessoas, com casos registados em mais de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 112 casos confirmados.

(Notícia atualizada às 15h38 com mais informação)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Espanha regista 120 mortos devido ao coronavírus. Governo declara estado de alerta a partir de sábado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião