Presidente do Novo Banco admite custos com fraude de ex-gestor em Espanha

  • Lusa
  • 5 Março 2020

Depois do ECO revelar a existência de uma fraude milionária no Novo Banco, António Ramalho admitiu que isso terá admitiu impactos, uma vez que o banco pode vir a compensar os clientes.

O presidente do Novo Banco admitiu esta quarta-feira que a fraude de um ex-gestor do banco em investigação em Espanha terá custos para a instituição, ainda que “menos do que se anuncia e sempre muito mais do que devia ser”.

“É um caso de polícia, um caso confinado a um balcão, já encerrado, a um ex-funcionário e um grupo de clientes reduzido, cerca de 80”, disse António Ramalho em entrevista à RTP3.

É um caso de polícia, um caso confinado a um balcão, já encerrado, a um ex-funcionário e um grupo de clientes reduzido, cerca de 80.

António Ramalho

Presidente do Novo Banco

Já sobre o impacto que este caso de alegada fraude poderá ter no Novo Banco, Ramalho admitiu essa hipótese, uma vez que o banco pode vir a compensar os clientes, mas sem quantificar valores: “Aquilo que seremos chamados é menos do que se anuncia e sempre muito mais do que devia ser”.

O jornal ‘online’ Eco noticiou esta quarta-feira que um ex-gestor do Novo Banco em Espanha está a ser investigado por ter burlado cerca de 80 clientes da região de Santander, através de um esquema de pirâmide que terá durado mais de uma década, reclamando os lesados 50 milhões de euros.

António Ramalho viajou esta semana a Espanha para se pôr a par da situação, segundo o Eco, estando a decorrer auditorias para avaliar o que se passou.

O Novo Banco divulgou na semana passada prejuízos de 1.058,8 milhões de euros em 2019, menos do que os 1.412,6 milhões de euros verificados em 2018.

Com as perdas de 2019 conhecidas, desde agosto de 2014, quando foi criado para ficar com parte da atividade bancária do BES, o Novo Banco já acumula prejuízos de 7.036,3 milhões de euros.

Na apresentação de resultados, como habitualmente, a administração separou as contas do banco recorrente do banco legado (os ativos problemáticos herdados do BES), informando que o banco recorrente dá lucro e que é a parte do legado que prejudica os resultados consolidados.

O banco vai pedir mais uma injeção de capital ao Fundo de Resolução, desta vez de 1.037 milhões de euros, no âmbito do acordo de recapitalização feito aquando da venda de 75% do capital ao fundo norte-americano Lone Star, em outubro de 2017, mantendo o Fundo de Resolução (entidade da esfera do Estado, gerido pelo Banco de Portugal) os restantes 25%.

Referentes a 2017 e 2018, o Novo Banco já recebeu 1.941 milhões de euros, pelo que com mais 1.037 milhões de euros o valor total injetado pelo Fundo de Resolução no Novo Banco ascenderá a 2.978 milhões de euros. Ao abrigo deste acordo, até 2026, o Novo Banco pode receber até 3,89 mil milhões de euros.

Uma vez que o Fundo de Resolução não tem dinheiro para fazer face a estas injeções de capital, todos os anos tem recorrido a empréstimos do Estado, o que se repetirá este ano (cerca de 850 milhões de euros).

Na entrevista desta quinta-feira à RTP3, António Ramalho considerou que o que tem de ser avaliado é se o investimento que está a ser feito pelo Estado no banco terá retorno.

Sobre a recuperação do banco, voltou a considerar que nesse processo é preciso “tempo e dinheiro” e que o ano de 2020 será fulcral na limpeza do banco.

Em 2016, o Novo Banco tinha um rácio de crédito malparado de 36% e em final de 2019 era de 11,8%, destacou, considerando que estes dados demonstram o trabalho que tem sido feito.

O Novo Banco está atualmente a ser alvo de uma auditoria aos créditos entre 2000 e 2018, cuja data de conclusão está prevista para maio, mas António Ramalho admitiu que possa demorar mais, considerando que como auditado prefere que trabalho “seja bem feito do que rápido”.

Questionado sobre se considera que Mário Centeno, atual ministro das Finanças, tem condições para ser governador do Banco de Portugal, referiu Ramalho que o governante “tem feito um papel relevante na estabilidade do sistema financeiro e do próprio país”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do Novo Banco admite custos com fraude de ex-gestor em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião