Parlamento aprova audição ao presidente do Novo Banco

António Ramalho irá ao Parlamento explicar prejuízos de 1.058,8 milhões de euros e o pedido de 1.037 milhões ao Fundo de Resolução.

O presidente do Novo Banco, irá ao Parlamento explicar os prejuízos de 1.058,8 milhões de euros registados em 2019 e o pedido de injeção de 1.037 milhões ao Fundo de Resolução ao abrigo do mecanismo de capital contingente. O requerimento apresentado pelo PS para a audição de António Ramalho foi aprovado esta quarta-feira.

O próprio CEO do banco disponibilizou-se a analisar os resultados da instituição junto dos deputados, tendo enviado uma carta ao presidente da comissão de Orçamento e Finanças, o deputado socialista Filipe Neto Brandão, na semana passada, onde manifestou abertura “para dar conta da evolução do processo de reestruturação do Novo Banco atualizado a 2019”.

Também o PS apresentou na semana passada um requerimento para ouvir António Ramalho. Foi este o requerimento aprovado por unanimidade esta quarta-feira. Falta saber o dia em que o presidente do Novo Banco irá ao Parlamento.

Uma das questões em cima da mesa serão as perspetivas de utilização dos 3,9 mil milhões de euros previstos no mecanismo de capital contingente, um mecanismo acordado em 2017 com o Estado aquando da venda do banco ao Lone Star. Este mecanismo funciona como uma garantia para o banco: se perder dinheiro com um conjunto de ativos problemáticos, e essa perda resultar numa redução dos níveis de capital abaixo dos requisitos regulamentares, o Fundo de Resolução é chamado a injetar dinheiro para cobrir essa diferença.

Na conferência de apresentação de resultados, Ramalho foi evasivo sobre este tema.Também tenho sempre dito que esta reestruturação custa tempo e dinheiro. É uma frase que tenho dito insistentemente”, disse o presidente do Novo Banco.

Além dos prejuízos, António Ramalho poderá explicar aos deputados a divergência com o Fundo de Resolução em relação a uma questão sobre a aplicação das regras de reporte de contas IFRS9, e que pode levar a entidade liderada por Máximo dos Santos a ter de injetar mais 200 milhões de euros.

Esta terça-feira, o ECO revelou que o Novo Banco está a investigar uma fraude na sucursal espanhola, depois de um ex-gestor ter criado um esquema de pirâmide e enganado cerca de 80 clientes. As vítimas reclamam 50 milhões.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento aprova audição ao presidente do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião