Ironhack estreia escola virtual de programação em maio

Escola de formação em tecnologia inaugura o primeiro campus totalmente virtual que permite aos alunos começar uma carreira tecnológica a partir de qualquer lugar.

A Ironhack decidiu lançar um novo campus, totalmente remoto. Chama-se Ironhack Remote e vai permitir à escola de formação em tecnologia dar aulas e receber alunos que queiram começar uma carreira tecnológica a partir de qualquer lugar ou parte do mundo, anunciou a empresa em comunicado.

A escola, que já dava bootcamps em cidades como Lisboa, Madrid, Barcelona, Paris, Amesterdão, Berlim, Miami, São Paulo e Cidade do México, vai ter agora salas virtuais onde professores e alunos de diferentes países se encontram e interagem em tempo real. “Tal como num contexto presencial, será possível levantar a mão e colocar questões durante as aulas, assim como participar em sessões com os colegas para estudar ou desenvolver projetos, contando com as gravações automáticas das aulas para ajudar a recapitular a matéria”, explica a escola de tecnologia.

Adaptámos o nosso currículo para um registo 100% remoto, o que implicou ajustes na metodologia e na abordagem pedagógica, com o intuito de criar uma atmosfera de proximidade à distância. O conteúdo, na essência, é o mesmo, porém, difere no modo como é apresentado. Os materiais de aprendizagem estão divididos em secções e apostar-se-á mais em exercícios para validar se os alunos apreenderam os conceitos”, esclarece Aleksandra Bošković, responsável pelo currículo de Web Development da Ironhack.

“Sempre fez parte da nossa visão, um dia, criar um campus virtual para levar a experiência que proporcionamos nos nossos campus físicos às geografias onde não temos essa presença, para que qualquer pessoa em qualquer lugar possa estudar na Ironhack”, sublinha Álvaro Rojas, vice-presidente de resultados e parcerias da Ironhack. “O momento particularmente desafiante que estamos a viver acelerou a concretização do que já era há muito uma ambição nossa. Na conjuntura de crise que se avizinha, muitas pessoas, um pouco por todo o mundo, podem vir a perder os seus empregos. Nesse sentido, queremos ser, para todas elas, uma alternativa de recomeço e de reorientação de percurso para uma área com bastantes saídas profissionais”, acrescenta.

O novo modelo de ensino virtual da Ironhack arranca em maio e, para já, disponibiliza o curso de Web Development nos regimes part-time (24 semanas) e full-time (9 semanas), cada um com um custo de 6.500€. As inscrições estão abertas na página da Ironhack: os candidatos devem ter mais de 18 anos, um domínio intermédio da língua inglesa e cumprir o trabalho prévio de preparação. Com uma taxa de colocação na ordem dos 90% (percentagem de alunos que conseguiram um trabalho até três meses depois de terem concluído o curso), a Ironhack já formou mais de 150 alunos em Portugal apenas no último ano.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ironhack estreia escola virtual de programação em maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião