De quarentena? Há uma feira de emprego virtual para universitários

A Job Summit - edição universitária, a 15 e 16 de abril, quer dar aos jovens recém-licenciados a oportunidade de contactarem com o mercado de trabalho. A feira de emprego é 100% virtual e gratuita.

Para participar nesta feira de emprego só precisa de um computador e acesso à internet. A Job Summit lançou uma edição dedicada aos estudantes do ensino superior ou recém-finalistas, o Job Summit – Edição Universitária. O evento vai acontecer online, a 15 e 16 de abril, no site oficial. Entre as 9h00 e as 20h00, os candidatos recém-licenciados podem ter acesso a entrevistas em salas de chat virtuais e a organização garante que vão estar disponíveis centenas de vagas de emprego.

Até ao momento, está confirmada a presença da Lactogal, BNP Paribas, Claranet, Fujitsu, Jason Associates (Mercer), Voltália (Grupo Martifer), Kelly Services, Everis, grupo Inditex, Zurich e Finders. Os candidatos interessados devem preencher o formulário na página oficial da feira virtual.

Tal como uma feira de emprego convencional, as empresas vão ter stands de apresentação, mas em formato virtual. Os candidatos podem enviar currículos, interagir e esclarecer dúvidas com as empresas que estão a recrutar, através das salas de chat, públicas e privadas.

Preparar o equipamento eletrónico e verificar que funciona — computador e internet –, selecionar as empresas com quem interagir, ter atenção à linguagem ou preparar questões específicas para determinadas empresas, são alguns conselhos da Job Summit para participar numa feira virtual.

Para participar na feira só precisa de um computador com acesso à internet. A inscrição é gratuita e dá livro acesso à feira e aos conteúdos durante os dois dias do evento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De quarentena? Há uma feira de emprego virtual para universitários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião