Universidades: Covid-19 deixa professores e alunos separados por um ecrã

As universidades substituíram as aulas presenciais por ensino à distância. Professores e alunos têm pouco tempo para se adaptar, mas esta pode ser uma oportunidade para testar novos métodos de ensino.

Aulas gravadas, videoconferências, plataformas digitais de e-learning, salas de chat onde é possível simular “o braço no ar”. Um pouco por todo o país, as universidades públicas e privadas estão a suspender as aulas presenciais, uma medida integrada nos planos de contingência contra a propagação do novo coronavírus. Para muitos, a alternativa não é desconhecida, pois passa por tirar partido e potenciar plataformas digitais que já eram utilizadas por professores e alunos. Na maioria das universidades, este será, por isso, um teste para novas metodologias de ensino à distância e em grande escala.

A partir da próxima semana, quase todas as universidades do país vão iniciar um período de aulas à distância que deverá durar pelo menos até ao fim de março, e cada uma com a sua particularidade. Como serão conduzidas essas aulas e que desafios — do presente e do futuro — trarão estes novos métodos?

Aulas gravadas e em videoconferência

Projetores, quadros e equipamento que permitam replicar uma sala de aula normal. Na Porto Business School, os professores que não estejam em risco podem dar as aulas a partir das instalações universitárias, em salas equipadas. Este modelo vai, no entanto, obrigar a um “ajustamento”, por parte dos alunos e dos docentes, até porque alguns professores nunca lecionaram à distância.

Office 365, Teams, Blackboard Learn, Fénix e Zoom, estão entre algumas das plataformas que as universidades vão aproveitar para garantir a continuidade das aulas.

“Certos de que a quarentena ou o isolamento em casa não devem limitar a possibilidade de aprendizagem, preparámo-nos para assegurar que a educação não para e que os nossos alunos não perdem o ritmo”, explica o dean da Porto Business School, Ramon O’Callaghan.

Assim, este novo modelo vai exigir “capacidade de ajustarem as ajustarem as suas dinâmicas pedagógicas”, conta Rui Coutinho, executive director for innovation & growth da Porto Business School. Do lado dos alunos, vai obrigar a “uma mudança de atitudes e mais atenção”, porque toda a dinâmica da sala de aula será diferente e através de um ecrã.

Se há algo que se prova neste momento é que as metodologias de aprendizagem à distância são uma alternativa muito interessante.

Rui Coutinho

Executive director for innovation & growth da Porto Business School

A Porto Business School antecipou em dois meses o lançamento de recursos de formação online, que estava previsto para maio e que inclui leituras, podcasts, masterclasses e formação executiva online. Rui Coutinho explica que o objetivo é “não interromper” a rotina educativa e devolver “alguma normalidade neste momento excecional que as pessoas estão a viver”. “Acreditamos que as pessoas precisam de coisas e de aceder a conhecimento”, salienta o responsável.

“Com maior ou menos dificuldade, toda a gente consegue fazer este ajustamento. Se há algo que se prova neste momento é que as metodologias de aprendizagem à distância são uma alternativa muito interessante, viável”, remata Rui Coutinho.

Também “por videoconferência ou por outras alternativas eletrónicas” vão funcionar as aulas no ISCTE. A universidade vai implementar medidas que incluem, por exemplo, “a gravação de aulas e a preparação de material de apoio específico para ensino à distância”, explica Alexandre Francisco, vice-presidente do Instituto Superior Técnico para os Assuntos Académicos.

O mesmo vai acontecer no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG), que suspendeu as aulas presenciais até 27 de março. No ISEG, as aulas serão dadas através de gravações dos professores e da plataforma de e-learning que já era utilizada pelos alunos da universidade. O acesso é limitado por disciplina e aos alunos que estão matriculados em cada turma.

A Universidade Nova de Lisboa, que engloba nove faculdades, escolas e institutos, vai fechar todas as bibliotecas, salas de estudo e suspender as aulas presenciais a partir de 16 de março. Todas as aulas serão lecionadas através de plataformas digitais. Na Nova SBE, à Pessoas, fonte oficial da escola de gestão confirmou que as medidas anunciadas pela reitoria são transversais a todas as faculdades.

Esta sexta-feira, a Nova SBE encerrou as instalações e ativou o plano de contingência da Universidade Nova para o combate ao Covid-19, depois da confirmação de um estudante da universidade infetado com o novo coronavírus na madrugada desta quinta-feira, 12 de março.

As instalações não vão abrir esta manhã, pois aguarda-se a inspeção das autoridades competentes para decidir quais serão os próximos passos. Assim, peço a todos os membros da comunidade escolar, que não se desloquem ao campus esta manhã e aguardem mais informações que serão transmitidas durante o dia”, sublinha Daniel Traça, dean da Nova SBE, em comunicado divulgado esta sexta-feira.

Na ISCTE Business School, todas as aulas presenciais foram suspensas e não há data de fim da suspensão. Também nesta universidade, serão utilizadas as plataformas de comunicação e partilha anteriormente utilizadas. Na Universidade Católica Portuguesa, as aulas presenciais estão suspensas até 30 de março. A universidade adiantou que todas as aulas serão dadas através de plataformas de e-learning e ainda está a testar qual será a melhor forma de avaliar os alunos, à distância.

Desafios pessoais e técnicos

Um dos desafios passa pela mudança generalizada num curto espaço de tempo para ensino à distância, o que implica a adaptação de conteúdos e de metodologias de ensino em disciplinas já em curso”, sublinha Alexandre Francisco, vice-presidente do Instituto Superior Técnico para os Assuntos Académicos.

Um dos desafios passa pela mudança generalizada num curto espaço de tempo para ensino à distância, o que implica a adaptação de conteúdos e de metodologias de ensino em disciplinas já em curso.

Alexandre Francisco

Vice-presidente do Instituto Superior Técnico para os Assuntos Académicos

Um dos riscos da implementação do ensino à distância pode ser a sobrecarga dos sistemas, devido ao uso massificado das plataformas online, alertam os os representantes do ISEG e do Instituto Superior Técnico. “O desafio é técnico e passa pelo uso generalizado de videoconferência no IST, na ULisboa, e noutras faculdades e universidades, em simultâneo, colocando os sistemas subjacentes sob elevado stress“, detalha.

A transição generalizada para o ensino à distância num curto espaço de tempo acarretará sempre alguns riscos, mas os mesmos serão minimizados nesta semana de preparação por forma a que as atividades letivas no IST prossigam com o menor impacto possível”, garante o responsável.

“Tendo em conta que passaremos de ensino presencial para o ensino à distância, é possível que alguns métodos de avaliação tenham que ser reajustados. Encontramo-nos neste momento a analisar a situação e a desenvolver mecanismos à medida da natureza de cada unidade curricular”, acrescenta Maria João Cortinhal, dean da ISCTE Business School.

A passagem do ensino presencial para o ensino à distância apela ao desenvolvimento de novas metodologias de ensino e à inovação pedagógica que nos permitirá, em certa medida, introduzir futuramente novos formatos de ensino como b-learning.

Maria João Cortinhal

dean da ISCTE Business School

A Universidade Portucalense Infante D. Henrique, no Porto, também suspendeu todas as aulas presenciais. Para o reitor da universidade, Sebastião Feyo, este será um momento de descobrir novos métodos pedagógicos, mas há desafios legais. “O edifício jurídico, que inclui a legislação de base, estatutos de carreiras e regime jurídico, bem como a legislação sobre estruturas administrativas reguladoras, terá que se adaptar a esta realidade, para que Portugal seja competitivo na cena global”, sublinha o responsável.

Oportunidades para o futuro

Para todas as universidades contactadas, aos desafios junta-se a possibilidade de aprendizagem, de contacto com a tecnologia e o desenvolvimento de modelos já existentes de formação online — em plataformas e-learning — abrindo-se portas para serem testados novos métodos de ensino.

“A passagem do ensino presencial para o ensino à distância apela ao desenvolvimento de novas metodologias de ensino e à inovação pedagógica que nos permitirá, em certa medida, introduzir futuramente novos formatos de ensino como o b-learning“, exemplifica Maria João Cortinhal, dean da ISCTE Business School, sobre a designação derivada do e-learning que se refere a um sistema de formação onde a maior parte dos conteúdos é transmitido em curso à distância, normalmente pela internet. O desafio será “garantir que a sua concretização não impacte negativamente o processo de aprendizagem“, salienta a responsável.

Para muitos professores será a primeira experiência que vão fazer a sério, com muita gente ao mesmo tempo, de ensino à distância. É natural que isto seja quase artesanal e que se vá melhorando a qualidade do ensino à medida que ganhamos mais experiência com isto”, remata Clara Raposo, presidente do ISEG.

O novo coronavírus Covid-19 já infetou mais de 125 mil pessoas em todo o mundo. Em Portugal, são 78 os casos confirmados de pessoas infetadas com o vírus. Esta quinta-feira, depois de reuniões com todos os partidos, António Costa anunciou que o Executivo decidiu fechar todas as escolas em território nacional, a partir da próxima segunda-feira, 16 de março, e pelo menos até 13 de abril (segunda-feira após a Páscoa), sendo a situação reavaliada a 9 de abril, em conselho de ministros.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Universidades: Covid-19 deixa professores e alunos separados por um ecrã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião