Quebra de rendimentos? Inquilinos pedem corte idêntico na renda

  • Lusa
  • 1 Abril 2020

A associação que representa os inquilinos em Lisboa considera que os inquilinos que tiveram quebras de rendimentos devem ter um corte idêntico no preço da renda.

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) defendeu que os inquilinos com quebra de rendimentos possam beneficiar de um corte de igual montante no valor da renda, considerando insuficiente as medidas propostas pelo Governo.

“Não há razão nenhuma para que uma pessoa com quebra de rendimentos fique com o mesmo valor de renda e ainda tenha de pedir um empréstimo para pagar daqui a uns tempos”, referiu à Lusa o presidente da AIL, Romão Lavadinho, precisando ser este um dos motivos que leva esta associação a discordar da proposta que vai ser discutida e votada na quinta-feira na Assembleia da República.

Romão Lavadinho defende uma solução diferente, fê-la chegar por carta ao Presidente da República, Assembleia da República e Governo e tem esperança de que durante a discussão no parlamento seja ainda possível alterar a proposta.

O diploma aprovado pelo Governo, e que será agora votado no parlamento, contempla regras específicas para as rendas habitacionais, não habitacionais e salvaguarda também a situação dos senhorios que possam ficar em situação de carência económica pela falta de pagamento das rendas dos seus inquilinos.

No caso das famílias, prevê-se que possa haver lugar à suspensão do pagamento da renda caso se registe uma quebra superior a 20% dos rendimentos do agregado familiar face aos rendimentos do mês anterior ou do período homólogo do ano anterior ou caso a taxa de esforço do agregado familiar do arrendatário destinada ao pagamento da renda se torne superior a 35%.

Os inquilinos nesta situação podem adiar o pagamento da renda e ainda pedir um empréstimo ao Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) para fazer face a esta despesa, com o diploma a prever que o valor em dívida terá de ser pago no prazo de um ano, em prestações mensais de valor não inferior a um duodécimo.

Para o presidente da AIL, esta solução irá ainda “agravar mais a situação dos inquilinos”, pois se estes “tiverem de se endividar”, quando a situação “voltar ao normal” terão, não só, de pagar a renda, mas também o empréstimo.

A AIL considera, por isso, que quem comprovadamente tenha quebra de rendimentos devido às medidas de contingência impostas pelo surto provocado pelo novo coronavírus deve ter “uma redução no valor da renda igual à percentagem da quebra do rendimento”.

A diferença entre o valor da renda habitual e a que resultaria do corte deve ser suportada pelo Estado através da atribuição de um subsídio aos senhorios considerados pequenos proprietários — situação que seria aferida, entre outras formas, pelo valor das rendas cobradas pelos proprietários em função do valor patrimonial dos imóveis.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quebra de rendimentos? Inquilinos pedem corte idêntico na renda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião