Trabalhadores denunciam “mais de 300” despedimentos no Parque Industrial da Autoeuropa

  • Lusa
  • 1 Abril 2020

A Comissão de Trabalhadores do Parque Industrial da Autoeuropa denunciou que "mais de 300 trabalhadores" terão sido despedidos por causa do Covid-19. Muitos estão em "situação imediata de carência".

A Coordenadora das Comissões de Trabalhadores do Parque Industrial da Autoeuropa, em Palmela, denunciou esta quarta-feira o “despedimento de mais de 300 trabalhadores precários” devido à pandemia da Covid-19 e exigiu uma tomada de posição das empresas e do Governo.

“Já foram despedidos mais de 300 trabalhadores temporários de diversas empresas do Parque Industrial da Autoeuropa e, de acordo com os dados que recolhemos, há muitos mais que estão na iminência de também serem despedidos”, disse à agência Lusa Daniel Bernardino, Coordenador das Comissões de Trabalhadores do Parque Industrial da Autoeuropa.

O representante dos trabalhadores do Parque Industrial da Autoeuropa — onde exercem a atividade mais de 10.000 colaboradores de diversas empresas, incluindo os funcionários da fábrica da Volkswagen — sublinhou ainda que muitos destes trabalhadores precários despedidos ficam numa “situação imediata de carência financeira” e “à beira do limiar da pobreza”.

Em comunicado, a Coordenadora da Comissão de Trabalhadores do Parque Industrial da Autoeuropa também denuncia o “despedimento generalizado de trabalhadores com contrato temporário” e a “aplicação de lay-off em várias empresas”, desde o passado dia 16 de março, e considera que as medidas anunciadas pelo Governo nos últimos dias não só não protegem os trabalhadores precários, como também penalizam mais os trabalhadores do que as empresas.

“As medidas tomadas pelo Governo, a aplicação de lay-off simplificado, penaliza mais trabalhadores e Segurança Social”, sublinha o comunicado, salientando que está prevista uma “isenção de impostos às empresas (TSU – Taxa Social Única)”, mas não para os trabalhadores (IRS – Imposto sobre Rendimento de Singulares), o que, na opinião da coordenadora, terá como consequência uma descapitalização da Segurança Social.

“Os trabalhadores são mais penalizados, pois mesmo recebendo 2/3 do ordenado, continuam a pagar os seus impostos, o que origina uma dupla penalização e respetiva perda acentuada de rendimento. Não é aceitável que a maior fatia do esforço financeiro recaia mais uma vez nos trabalhadores”, acrescenta o comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores denunciam “mais de 300” despedimentos no Parque Industrial da Autoeuropa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião