Comissão Europeia quer criar fundo de 100 mil milhões de euros para garantir empregos

  • Lusa
  • 2 Abril 2020

Bruxelas pretende criar um fundo de 100 mil milhões de euros para empréstimos aos Estados-membros. Este novo instrumento de apoio temporário visa mitigar os riscos de desemprego em caso de emergência.

A Comissão Europeia propôs esta quinta-feira a criação de um fundo de 100 mil milhões de euros para empréstimos aos Estados-membros visando suportar esquemas de apoios temporários ao emprego e preservar postos de trabalho durante a crise criada pela covid-19.

Em causa está o “novo instrumento de apoio temporário para mitigar os riscos de desemprego em caso de emergência, o SURE, que foi projetado para ajudar a salvaguardar postos de trabalho e trabalhadores afetados pela pandemia do novo coronavírus”, indica o executivo comunitário na proposta hoje divulgada.

Explicando que o objetivo é “prestar assistência financeira, sob a forma de empréstimos concedidos em condições favoráveis pela UE aos Estados-membros, até um total de 100 mil milhões de euros”, a Comissão Europeia nota que estas verbas visam ajudar os países a “lidar com aumentos repentinos da despesa pública para preservar o emprego”.

Para isso, Bruxelas conta com um total de 25 mil milhões de euros em garantias voluntárias dos Estados-membros através do orçamento comunitário como forma de alavancar este fundo (o correspondente a 25% do teto máximo para empréstimos).

“Especificamente, estes empréstimos ajudarão os Estados-membros a cobrir os custos diretamente relacionados com a criação ou extensão de instrumentos nacionais de trabalho de curta duração e outras medidas semelhantes adotadas para os trabalhadores por conta própria como resposta à atual pandemia de coronavírus”, precisa a Comissão Europeia.

Para poderem aceder a tais empréstimos, os Estados-membros têm de fazer um pedido de assistência financeira à Comissão, cabendo depois a Bruxelas consultar o país em causa para verificar a dimensão do aumento da despesa pública diretamente relacionado com estes instrumentos nacionais para o emprego.

Nessa altura, o executivo comunitário avaliará os termos do empréstimo (incluindo o valor, a maturidade e as modalidades técnicas relacionadas com a implementação) para, seguidamente, apresentar uma proposta ao Conselho, num processo que o executivo comunitário espera ser célere.

Falando esta quinta-feira em videoconferência de imprensa, em Bruxelas, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, frisou que este é um instrumento que “pode mitigar os efeitos da recessão, manter as pessoas empregadas e tornar mais revigorante o regresso das empresas à atividade normal”.

“O SURE pode apoiar todos os Estados-membros que o desejem”, adiantou.

Para avançar, esta proposta terá de ter aval do Conselho, sendo discutida ao nível do Eurogrupo.

Também esta quinta-feira, Bruxelas anunciou outros apoios comunitários para responder à pandemia do Covid-19, entre os quais a mobilização de três mil milhões de euros do orçamento da UE (2,7 mil milhões dos quais através do Instrumento de Apoio de Emergência e 300 milhões do rescEu) para suportar diretamente os sistemas de saúde.

A estes acrescem apoios aos pescadores e agricultores, proporcionando uma utilização mais flexível do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas para compensar a cessação temporária das atividades.

Ainda esta quinta-feira, Bruxelas divulgou a adaptação do Fundo de Auxílio Europeu às Pessoas mais Carenciadas ao atual estado de pandemia, para garantir apoio às famílias mais vulneráveis, nomeadamente através da introdução de ‘vouchers’ eletrónicos para reduzir o risco de contaminação na entrega de bens e ainda da compra de equipamentos de proteção para os que disponibilizam alimentos e ajuda material básica às pessoas mais necessitadas.

A Comissão Europeia conclui, no pacote de ajudas divulgado esta quinta-feira, que, “à medida que a situação continua a evoluir, apresentará mais propostas e colaborará com as outras instituições da UE para avançar o mais rapidamente possível”.

Mais de 500 mil casos de infeção pelo novo coronavírus foram oficialmente diagnosticados na Europa, mais de metade do total mundial, num total de 34.571 mortes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia quer criar fundo de 100 mil milhões de euros para garantir empregos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião