Europa quer usar Mecanismo Europeu de Estabilidade contra o Covid-19

  • ECO
  • 2 Abril 2020

Documentos obtidos pelo El País põem a descoberto algumas das medidas de apoio às economias da Zona Euro que estão a ser preparadas pelo Eurogrupo. Há crédito para países e para empresas.

Os ministros das Finanças da Zona Euro deverão fechar na terça-feira um princípio de entendimento acerca da resposta conjunta à crise económica provocada pelo coronavírus. Não se trata de uma solução para o impasse da mutualização da dívida, mas de um alargamento do espetro de medidas de apoio a países e empresas, e que podem ser tomadas, desde logo, pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE).

De acordo com documentos obtidos pelo El País, uma dessas medidas deverá passar pela criação de uma linha de crédito, para já batizada de Instrumento de Financiamento Rápido, com uma capacidade de 80 mil milhões de euros para distribuir pelos vários países em proporção das quotas dos contributos para o MEE e da gravidade da pandemia e dos impactos económicos por ela causados.

Este instrumento deverá ficar disponível por um período de até 12 meses e os financiamentos atribuídos deverão ter maturidade de três a cinco anos, ao custo mais reduzido possível. Na visão do Eurogrupo, é “tempo suficiente para permitir a absorção do choque económico”, cita o jornal espanhol.

Está ainda prevista a adaptação de uma linha existente, que nunca foi usada, mas tem a capacidade para conceder aos países elegíveis crédito de até 2% do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país. Esta linha de crédito também estará disponível por 12 meses, renovável por mais seis meses e com maturidades entre cinco e dez anos.

Além disso, esta solução abre a possibilidade de o MEE comprar dívida pública do país beneficiário no mercado primário de dívida. É uma capacidade que o Banco Central Europeu não tem, explica o jornal.

Uma terceira forma de apoio financeiro deverá passar pelo Banco Europeu de Investimento, nomeadamente pela criação de um “Fundo de Garantia pan-Europeu de resposta ao Covid-19”. O objetivo será o de injetar até 200 mil milhões de euros em empresas europeias, independentemente do tamanho, apurou igualmente o El País.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Europa quer usar Mecanismo Europeu de Estabilidade contra o Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião