Wall Street ignora mercado laboral. Petróleo dá ganhos de 2% às bolsas

Os investidores ignoraram os dados pessimistas do mercado laboral norte-americano. Perante uma escalada dos preços do petróleo, os índices fecharam a sessão a subir mais de 2%.

Os investidores descartaram os dados pessimistas do mercado laboral e deram às bolsas norte-americanas um dia de ganhos acima de 2%, perante a escalada dos preços do petróleo com tréguas à vista entre a Rússia e a Arábia Saudita.

Os três principais índices fecharam em terreno positivo, numa sessão marcada pela alta volatilidade, depois de se saber que um recorde de cerca de 6,6 milhões de pessoas solicitaram subsídio de desemprego somente na última semana.

Apesar do fraco desempenho do mercado laboral, numa dimensão nunca antes vista, o S&P 500 avançou 2,26%, para 2.526,43 pontos. Em simultâneo, o industrial Dow Jones adicionou mais de 450 pontos e fechou a subir 2,15%, para 21.394,62 pontos. O tecnológico Nasdaq registou um ganho mais ligeiro, ainda assim de 1,69%, para 7.484,83 pontos.

Os 6,6 milhões de novos pedidos de subsídio de desemprego juntam-se aos mais de três milhões que tinham sido registados na semana anterior. Contas feitas, perto de 10 milhões de cidadãos norte-americanos terão perdido o emprego nos últimos 15 dias, um dado alarmante e histórico que é efeito do impacto económico da pandemia do coronavírus.

Mas os mercados acabaram por beneficiar da recuperação expressiva dos preços do petróleo, depois de o presidente Donald Trump ter sinalizado a iminência de um acordo entre russos e sauditas para impor um corte na produção da matéria-prima. Com o crude a valorizar quase 23,5% em Nova Iorque, as ações petrolíferas puxaram as bolsas para um nível bem acima da linha de água.

Os títulos da Occidental Petroleum dispararam 18,55%, o melhor desempenho da sessão, para 12,75 dólares, enquanto a Diamondback Energy valorizou subiu 15,92%, para 29,05 dólares por ação. Na liga dos “pesos pesados”, destaque para a subida de 2,14% da Microsoft, enquanto a Apple somou 1,63%.

Porém, no dia em que o número de infetados por Covid-19 superou a fasquia psicológica do milhão de pessoas, algumas empresas do setor de viagens e lazer continuaram a ser prejudicadas. As ações da empresa de cruzeiros Carnival Corp caíram 9,55%, para 7,96 dólares, enquanto a United Airlines perdeu 8,69%, para 23,42 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street ignora mercado laboral. Petróleo dá ganhos de 2% às bolsas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião