Quase 40% das empresas vai recorrer ao lay-off simplificado

Inquérito da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa aponta para uma grande adesão ao lay-off simplificado. 38,3% das empresas admitir recorrer a este regime criado pelo Governo perante o Covid-19.

Quase 40% das empresas portuguesas vai recorrer ao esquema do lay-off simplificado, que permite suspender o contrato de trabalho ou reduzir o período normal de trabalho, de acordo com um inquérito promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP) para avaliar o impacto do Covid-19.

Desde que o regime de lay-off simplificado entrou em vigor, várias foram as empresas que pediram para aderir, enviando trabalhadores para causa por quebra de atividade. Os dados do Governo apontam par, até ao momento, 3.600 empresas que solicitaram este apoio que permite os funcionários recebam dois terços do salário, sendo 30% da responsabilidade da entidade patronal e 70% pago pela Segurança Social.

António Costa revelou que há já pedidos para 76 mil trabalhadores entrarem neste regime, mas o Executivo admite que o número pode chegar ao milhão de pessoas. O inquérito da CCIP aponta para uma grande adesão, com 38,3% a admitir enviar colaboradores para lay-off.

Além deste regime, o Governo tem vindo a apresentar várias medidas de apoio às empresas durante esta altura, nomeadamente linhas de crédito e moratórias. Questionadas acerca da necessidade de recorrer a estas medidas, 52,5% das empresas inquiridas indicou que vai pedir o fracionamento do pagamento de impostos e 48,8% refere que vai diferir os pagamentos à Segurança Social.

Quanto às linhas de crédito, que, no seu conjunto, têm um valor que ronda os 3 mil milhões de euros, cerca de 40% dos inquiridos pondera vir a recorrer. Apenas 11% das empresas inquiridas sinalizou que não está a planear aceder, de imediato, a uma ou mais destas medidas.

Muitas das organizações apontaram que a imprevisibilidade decorrente das sucessivas alterações às medidas é um obstáculo. A exigência da redução da faturação como critério de elegibilidade também foi referida, por 54,3% das empresas, como “um grande constrangimento”.

O impacto mais negativo no mercado nacional foi sentido ao nível das vendas, que são seguidas por problemas de tesouraria que foram indicados por 43,2% das empresas. “No espaço de uma semana, o número de empresas que está a sentir um impacto ao nível das vendas no mercado nacional aumentou cerca de 5 pontos percentuais e ao nível da tesouraria aumentou 6 pontos percentuais”, aponta a CCIP, referindo-se às respostas do primeiro inquérito realizado.

Mais de um terço das empresas diz mesmo que não consegue resistir mais de 30 dias sem receber um apoio para as necessidades de tesouraria. Já para 9,3% das empresas inquiridas as dificuldades chegaram mais cedo, e já não conseguiram cumprir com as obrigações salariais e fiscais de março.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase 40% das empresas vai recorrer ao lay-off simplificado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião