Premier League afasta recomeço em maio e quer cortar salários de jogadores

  • Lusa
  • 3 Abril 2020

“Ficou definido que a Premier League não recomeçará no início de maio e que a época de 2019/20 só regressará quando for seguro e apropriado fazê-lo”, esclarece o organismo.

A Liga inglesa de futebol adiou esta sexta-feira o recomeço para uma altura em que seja apenas “seguro e apropriado” fazê-lo, devido à pandemia do Covid-19, descartando a possibilidade de o regresso da competição acontecer no início de maio.

“Ficou definido que a Premier League não recomeçará no início de maio – e que a época de 2019/20 só regressará quando for seguro e apropriado fazê-lo”, refere o organismo, em comunicado, após uma reunião com os clubes.

A Liga inglesa diz que o “objetivo comum” é que os jogos do campeonato e da taça venham a ser disputados, de modo a manter a “integridade das competições”, mas que um regresso apenas acontecerá com o aval do governo e permissão das autoridades sanitárias.

No mesmo comunicado, a Premier League indica que ficou igualmente acordada uma consulta aos jogadores, no sentido de cortar em 30% o salário anual, face às perdas substanciais dos clubes na época em curso e à necessidade de proteção de empregos.

A reunião serviu ainda para votar favoravelmente apoios na ordem de 125 milhões de libras (cerca de 141 milhões de euros) aos clubes ingleses de escalões inferiores, e de doar, imediatamente, 20 milhões de libras (22,6 milhões de euros) ao sistema nacional de saúde.

“A Premier League compromete-se, imediatamente, a entregar 20 milhões de libras para apoiar o sistema nacional de saúde, famílias e grupos vulneráveis”, indica a nota publicada no sítio oficial do organismo na Internet.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia do Covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 54 mil. Dos casos de infeção, cerca de 200.000 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia, e o continente europeu é neste momento o mais atingido, com cerca de 560 mil infetados e perto de 39 mil mortos.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 17 de abril, registaram-se 246 mortes e 9.886 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Premier League afasta recomeço em maio e quer cortar salários de jogadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião