Coronavírus. Mais de 65 mil mortos em todo o mundo

  • Lusa
  • 5 Abril 2020

De acordo com a agência AFP, a pandemia de coronavírus já provocou 65.272 vítimas mortais em todo o mundo.

A pandemia provocada pelo novo coronavírus fez pelo menos 65.272 mortos em todo o mundo, desde o surgimento do primeiro caso, em dezembro, na China, segundo um balanço feito pela agência AFP a partir de números oficiais.

O balanço, que contabiliza 5.816 novas mortes em 24 horas, refere-se aos dados disponíveis até às 12h00 (hora de Lisboa). Os casos de infeção desde o início da pandemia ascendem a 1.206.480 em 190 países e territórios, mais 84.160 que no balanço feito no sábado.

A agência frisa que este número não reflete a totalidade de infeções, na medida em que muitos países apenas testam as pessoas que necessitam de hospitalização. Entre o total de casos, 233.300 são considerados curados.

Itália, que diagnosticou o primeiro caso no final de fevereiro, é o país com o maior número de mortos, 15.362, num total de 124.632 casos de infeção, dos quais 20.996 estão considerados curados.

Depois de Itália, os países com maior número de mortos são Espanha, com 12.418 casos mortais (130.759 casos), os Estados Unidos, com 8.503 mortos (312.245 casos), França, com 7.560 mortes (89.953 casos) e o Reino Unido, com 4.313 mortes (41.903 casos).

A China continental, ou seja, sem contar com Macau e Hong Kong, onde a pandemia teve início, registou nas últimas 24 horas 30 novos casos e três novas mortes, elevando o total para 81.669 casos de infeção, 3.329 mortes e 76.964 curas.

Em número de casos, os Estados Unidos são o país mais atingido (312.245). A Europa totalizava até à manhã deste domingo quase 50 mil mortes (47.093) em mais de meio milhão (642.330) de casos, sendo a região do mundo mais afetada.

Seguem-se Estados Unidos e Canadá (8.747 mortes em 326.117 casos), a Ásia (4.172 mortes em 117.571 casos), o Médio Oriente (3.779 mortes em 74.670 casos), a América Latina e Caraíbas (1.052 mortes em 30.539 casos), África (388 mortes em 8.578 casos) e a Oceânia (41 mortes em 6.675 casos).

Portugal regista até este domingo, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), 295 mortes associadas à covid-19 e 11.278 infetados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus. Mais de 65 mil mortos em todo o mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião