Coronavírus arrasta negócio da mobilidade para as ruas da amargura

A pandemia está a ter um grande impacto nos negócios da mobilidade. Mas enquanto empresas como a Uber se estão a tentar adaptar, para outras, o vírus pode ser a machadada final.

O novo coronavírus ameaça atirar parte do mundo para uma crise económica sem precedentes. Mas além das viagens, do turismo e da restauração, um outro setor tem sentido na pele a angústia de quem, de um momento para outro, viu as receitas caírem praticamente até ao zero. Esse setor é o da mobilidade.

Diretamente ligados à “economia da partilha”, alguns destes negócios em Portugal já enfrentavam dificuldades antes mesmo das restrições forçadas pela pandemia. E enquanto uns têm procurado adaptar-se às novas circunstâncias, para outros, o Covid-19 poderá ser, apenas, uma espécie de machadada final.

Um dos exemplos mais flagrantes é o da Uber. Com praticamente metade do país em regime de teletrabalho, muitos motoristas viram os rendimentos afundarem, apesar de as despesas não terem caído na mesma proporção. Por isso, a empresa já anunciou que está a desenhar uma série de novidades para dar resposta à mudança nos hábitos de consumo dos portugueses.

Mas não é apenas no transporte privado que o novo coronavírus se está a fazer sentir. No negócio dos carros partilhados, a oferta aparenta ter caído a pique. Sobretudo depois de a DriveNow ter saído do mercado português, pouco antes do surgimento da pandemia.

Já no que toca às trotinetas elétricas, empresas outrora multimilionárias encontram-se presas por um fio. É o caso da Lime, que já antes do surto tinha reduzido o perímetro em Portugal e está agora no mercado à procura de centenas de milhões de dólares para criar um fundo de emergência. Há também um desinvestimento de peso em Portugal, que praticamente passou despercebido… até agora.

Uber, dos transportes para o negócio da logística

Com milhares de motoristas parados, à espera de viagens que chegam a conta-gotas, a Uber foi forçada a reinventar-se. A empresa, que faturou perto de 39 milhões de euros no país em 2019, dificilmente terá um ano de 2020 tão bom. Mesmo assim, a equipa portuguesa não baixou os braços e está a tentar adaptar à plataforma às novas necessidades do mercado.

Uma das novidades é a solução Uber Drop-Off, anunciada a 27 de março. O objetivo passa por colocar à disposição de grandes retalhistas a “frota” que trabalha ao serviço da aplicação de transporte. Assim, numa altura em que muitos portugueses estão isolados em casa, a ideia é que sejam os motoristas de passageiros a levarem ao domicílio as compras feitas online nos vários hipermercados.

“A Uber está a desenvolver uma nova solução B2B [ou seja, para empresas], o Uber Drop-Off. Este produto está a ser desenvolvido em Portugal para ajudar a escala e a capacidade logística de retalhistas e empresas de bens de consumo a terem entregas com a comunidade de motoristas que viaja com a Uber em Portugal”, anunciou a Uber, num comunicado.

O primeiro cliente conhecido deste serviço foram os CTT. As duas empresas revelaram esta semana uma parceria para que os motoristas de passageiros façam as entregas do serviço “Expresso para Hoje” (antigo CTT Now) em várias cidades em que os CTT ainda não estavam presentes.

No portefólio de serviços da Uber vai haver, ainda, outra novidade: a Uber Eats, que ganhou expressão como um dos principais serviços de entrega de refeições ao domicílio, prepara-se para incluir mercearia no catálogo. Tudo no sentido de promover a comodidade dos utilizadores, mas também na tentativa de impedir uma quebra ainda maior nas receitas globais da empresa.

Questionada sobre os efeitos da pandemia no negócio, fonte oficial da Uber Portugal não respondeu, alegando que a empresa não está “a comentar o impacto mercado a mercado”.

Trotinetas arrumadas, negócio da Lime parado

A Uber também explora bicicletas e trotinetas elétricas em Lisboa. No entanto, até onde foi possível apurar, este negócio está parado. O mesmo acontece para outras aplicações dominantes no mercado, como a rede de bicicletas pública Gira, ou a norte-americana Lime.

Em relação a esta última, há alguns meses que a empresa dava sinais de desinvestimento no mercado português. Primeiro com a notícia da saída de Coimbra. Depois, fora do Porto: não ficou com nenhuma das licenças atribuídas pelo município em leilão, apesar de ter admitido estar de olhos postos na invicta. Em fevereiro, deixou de ser representada em Portugal pela agência Square, apostando numa comunicação própria a partir de Amesterdão.

Agora, em plena pandemia do coronavírus, o The Information (acesso condicionado) lançou alguma luz sobre o estado do negócio. Outrora avaliada em 2,4 mil milhões de dólares, a Lime está no mercado à procura de um financiamento de emergência a um preço que a coloca a valer cerca de 400 milhões, uma perda de valor na ordem dos 80%.

Além disso, segundo o jornal, a Lime tem apenas entre 50 milhões e 70 milhões de dólares de liquidez para fazer face à crise que se adivinha. E poucos meses depois de ter despedido 100 pessoas em janeiro e de anunciar a saída de 12 cidades, a Lime está a considerar avançar para um lay-off de até 70 trabalhadores em São Francisco, pelo menos. A informação foi revelada pelo TechCrunch.

Contactada pelo ECO, a empresa não respondeu e invocou “confidencialidade”. Enquanto negócio sazonal, com o verão a chegar a passos largos, a Lime precisa de retomar a atividade com urgência. E o cerco está a apertar-se cada vez mais.

Circ sem equipa em Portugal. Saiu antes do vírus

Mas numa altura em que todas as empresas de trotinetas elétricas foram forçadas a suspender as operações em Portugal, houve um desinvestimento que praticamente passou despercebido — o da Circ.

A Circ foi comprada pela Bird no início deste ano, numa altura em que esta última já estava sem operar em Portugal. Atualmente, também a Circ está sem trotinetas em Portugal em plena pandemia do coronavírus. Porém, ao que o ECO apurou, tal não se deveu à pandemia, mas sim à decisão do novo acionista, que está a reavaliar a continuidade das operações neste mercado.

Foi em fevereiro que a Bird deu “ordem” à Circ para a retirada de todas as trotinetas das ruas, sob o pretexto de estar a analisar as operações nos vários mercados, sabe o ECO. Esta decisão súbita do novo acionista terá caído mal junto da equipa gestora da Circ em Portugal, que não viu com bons olhos este aparente desinvestimento. O facto de as autarquias não terem sido previamente informadas da decisão veio somar ao descontentamento, que acabou por surgir e se instalar.

Assim, a Circ, tal como a Bird, está sem operar em Portugal desde fevereiro, antes mesmo dos efeitos da pandemia do coronavírus. E num momento em que o Covid-19 continua a ganhar terreno, os cerca de 20 membros da equipa portuguesa já não se encontram a trabalhar com a Circ, incluindo Felix Peterson, cofundador e, até aqui, diretor-geral.

Contactada, a Bird não respondeu às perguntas do ECO em tempo útil. Segundo o Tech Crunch, a par da Circ, a empresa está, ela própria, a ter de lidar com os impactos da pandemia. Nesse sentido, avançou para um lay-off de 30% dos trabalhadores do grupo, cerca de 400 pessoas, uma decisão anunciada através da aplicação de videochamadas Zoom, segundo a BBC.

Pouca partilha no caso dos automóveis

Passando de duas para quatro rodas, também há sinais de desinvestimento e impacto no negócio dos carros partilhados. Excluindo o caso da antiga Citydrive, que em 2018 desapareceu do país sem deixar rasto (mas deixou dívidas), os portugueses foram surpreendidos no início de março com a decisão da Drive Now de deixar também o mercado português.

“Vimos informar que a operação da DriveNow em Lisboa foi hoje interrompida. Esta situação surge no âmbito do relançamento da Share Now (fusão dos serviços car2go e DriveNow)”, informou a ViaVerde Carsharing, empresa do grupo Brisa. Por esta altura, o serviço já não tem qualquer automóvel disponível em Portugal.

Quanto à concorrente Emov, não é claro o estado da empresa em Portugal no contexto de pandemia. No entanto, esta terça-feira, a aplicação mostrava apenas 12 automóveis disponíveis em Lisboa, uma quantidade de oferta substancialmente inferior ao habitual. Contactada, a empresa não respondeu em tempo útil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus arrasta negócio da mobilidade para as ruas da amargura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião