Marcelo diz que há portugueses a usar moratórias para poupar

Após uma reunião com os cinco principais banqueiros em Portugal, o Presidente da República contou que os dados de março que os bancos já têm acesso

Marcelo Rebelo de Sousa elogiou tanto a atuação da banca como dos portugueses na forma como estão a lidar com a pandemia de Covid-19. Se os bancos estão já a pôr no terreno medidas para ajudar a economia como é o caso das moratórias, os clientes estão a usar com maturidade este balão de oxigénio.

O Presidente da República reuniu-se esta segunda-feira com os líderes dos cincos maiores bancos em Portugal. “Saio desta reunião com a sensação que a banca portuguesa está a acompanhar de forma muito atenta a realidade do nosso país”, disse, em declarações transmitidas pelas televisões. “Encontrei um estado de espírito de grande mobilização no sentido de ajudar a economia portuguesa a enfrentar um período que sabemos que vai ser difícil“.

Uma das principais medidas para ajudar a economia é a atribuição de moratórias para o crédito às famílias e empresas. Esta permite aliviar os encargos com prestações a quem seja afetado pelos efeitos económicos negativos da pandemia do Covid-19 através do adiamento, em seis meses, até ao final de setembro do pagamento dos créditos à habitação e das empresas.

Os bancos fizeram o primeiro ponto de situação sobre este assunto já com indicadores referentes a março. Marcelo diz que houve “grande maturidade revelada pelos portugueses em março” na relação com a banca e na “forma recorreram a moratórias, nuns casos para terem um alívio da sua situação financeira e noutros para fazerem uma poupança para o que possa vir a ser o futuro imediato“, explicou.

“É uma grande maturidade dos portugueses, num momento em que, naturalmente, estão a fazer contas à vida (e vão fazê-lo nos próximos meses e porventura também nos próximos anos), a forma muito madura como se relacionaram com a banca em termos de gerir racionalmente uma situação que era nova e era difícil“, sublinhou o Presidente da República.

Mas os bancos estão não só a “pôr no terreno as medidas aprovadas pelo Governo” como a tomar “iniciativas próprias completando, banco a banco, aquilo que consta das medidas do Governo”, explicou Marcelo.

Questionado sobre se as moratórias poderão ser alargadas ao crédito ao consumo, Marcelo recusou comentar, dizendo que é uma solução que terá de passar pelo Governo.

Outro tema que o presidente também preferiu não falar foi dos lucros e dividendos da banca. Escusou-se a responder se este foi um tema abordado na reunião. “Ouvi as várias posições e o que os bancos tiveram a dizer de posição conjunta divulgarão por comunicado se entenderem adequado”, disse apenas.

Após o encontro com os presidentes da Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novo Banco, Santander Totta e BPI, Marcelo anunciou ainda que vai chamar a Belém já esta terça-feira o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Fernando Faria de Oliveira, e o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa.

(Notícia atualizada às 19h15)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo diz que há portugueses a usar moratórias para poupar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião