Mortes por Covid-19 em Espanha estão a diminuir. Foram 637 em 24 horas

Pelo quarto dia consecutivo, Espanha regista uma redução do número diário de mortes por causa do coronavírus. Nas últimas 24 horas, foram registados 637 óbitos, o menor número desde 24 de março.

Nas últimas 24 horas, Espanha registou 637 óbitos por infeção de Covid-19, o número mais baixo desde 24 de março. Em termos globais, há registo de 13.055 vítimas mortais desde que o surto foi detetado no país, avança o El País (acesso livre, conteúdo em espanhol).

O mais recente balanço feito pelo Ministério da Saúde espanhol dá conta espanhol dá conta de 135.032 de pessoas infetadas com coronavírus desde que o surto foi detetado no país. Do número total de casos confirmados, quase 60.000 pessoas tiveram que ser hospitalizadas.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, 38.080 pessoas que foram contagiadas tiveram alta e são consideradas como curadas.

Face ao panorama vivido no país, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, decidiu estender o estado de emergência até 26 de abril. Inicialmente, o Governo espanhol decretou o estado de emergência durante 15 dias em 14 de março último, que foi prorrogado pelo parlamento a partir de 28 do mesmo mês.

636 mortos em Itália nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas, o número de mortes em Itália devido ao surto de coronavírus aumentou 636 para 16.523 vítimas mortais, de acordo com os dados das autoridades de saúde, citado pelo La Reppublica (acesso livre, conteúdo em italiano). Depois de no domingo ter registado o valor mais baixo desde 19 de março, Itália volta a registar um aumento no número de vítimas mortais face aos 525 óbitos registados no balanço anterior.

De acordo com os dados revelados esta segunda-feira, Itália regista agora 132.547 casos confirmados por covid-19, mais 3.599 casos que o balanço anterior. Ainda assim, verifica-se uma queda no número de novos casos. Nesse universo, há 22.837 pessoas completamente recuperadas, um aumento de 1.022 nas últimas 24 horas.

Alemanha regista abrandamento de novos casos e vítimas mortais

A Alemanha, o terceiro país com mais casos da Europa e o quarto do mundo, regista 95.391 infetados com o novo coronavirus, menos 3.677 do que os registados no dia anterior.

O Instituto Robert Koch (RKI), entidade responsável pela prevenção e controlo de doenças, citado pela Lusa, dá conta de 1.434 vítimas mortais, também aqui se verifica um decréscimo do número diário de mortes, menos 92 do que no balanço de domingo.

A página oficial da entidade responsável pela prevenção e controlo de doenças mostra ainda que na Baviera, o maior estado federado da Alemanha, se regista quase um terço dos óbitos por Covid-19 (437) e o maior número de pessoas infetadas (24.974).

Apesar deste abrandamento, em declarações este domingo ao jornal Frankfurter Allgemeine Helge Braun, o chefe da Chancelaria e ministro federal de Assuntos Especiais, sublinhou que a Alemanha ainda não atingiu o pico dos contágios.

“A tarefa do Governo é estarmos preparados e prepararmos a população para a parte mais difícil desta crise”, revelou, sublinhando que a Alemanha ainda terá de enfrentar o “número mais alto de contágios”.

Braun sublinha ainda, nesta entrevista, a necessidade de reforçar a capacidade do sistema hospitalar e de melhorar os recursos para mapear os contactos das pessoas infetadas.

Reino Unido ultrapassa barreira das 5 mil mortes

No Reino Unido, foram registadas 439 mortes nas últimas 24 horas, elevando o total de vítimas mortais para 5.373, segundo as autoridades de saúde do país. Estes números relevam uma diminuição face aos divulgados nos três dias anteriores.

Segundo os dados do Ministério da Saúde britânico, há agora 51.608 casos de infeção confirmados com o novo coronavírus no país.

Mais de 1.200 mortes nos EUA em 24 horas

Do outro lado do Atlântico, o cenário não é animador, com os números a crescerem cada vez mais. Esta Os Estados Unidos da América (EUA) registaram este domingo mais de 1.200 mortes em 24 horas causadas pela covid-19, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins, citada pela Lusa.

O número total de mortes desde o início da pandemia nos Estados Unidos é agora de mais de nove mil e cerca de 337.000 infetados. Segundo a Universidade Johns Hopkins, mais de 17.000 pessoas já recuperam da doença no país.

“Estamos a aprender muito sobre o inimigo invisível. É duro e inteligente, mas somos mais duros e inteligentes!”, escreveu o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na rede social Twitter.

Esta segunda-feira o governador do Estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo, informou que o número de pessoas infetadas pelo vírus em todo o Estado subiu para 130.689. Há ainda registo de 4.758 vítimas mortais. “Isto significa que a curva está a achatar pelo segundo dia consecutivo. Apesar de nada disto constituir uma boa notícia, o possível achatamento da curva é melhor do que os aumentos que temos visto”, apontou Andrew Cuomo, citado pelo The Guardian.

A nível global, o novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 68 mil. Dos casos de infeção, mais de 283 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

(Notícia atualizada com mais informação às 18h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mortes por Covid-19 em Espanha estão a diminuir. Foram 637 em 24 horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião