Hoje nas notícias: Bancos, Brisa e metro de Lisboa

  • ECO
  • 7 Abril 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Os bancos exigem mais garantias para apoiarem a economia na crise. A Brisa recebe ofertas até amanhã, data em que é expectável que seis interessados apresentem propostas vinculativas. A Comissão Europeia diz aos eurodeputados do PCP que é possível reafetar as verbas da linha circular do metro de Lisboa. Fabricantes propõem às farmácias caixas de máscaras por 150 euros, quando antes custavam cinco euros. Também por causa do Covid-19, o registo de bebés vai poder ser feito através da internet.

Bancos exigem mais garantias para apoiar economia

O Presidente da República recebeu o presidentes dos principais bancos portugueses, que estão a exigir mais garantias às empresas para apoiarem a economia através das linhas de financiamento. No caso das moratórias no consumo, só avançarão se houver apoio do Governo — o ECO avançou que as instituições estão a trabalhar em conjunto numa moratória de génese privada. Marcelo Rebelo de Sousa vai ouvir ainda Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, e ainda o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Faria de Oliveira. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso pago)

Ofertas pela Brisa entregues esta quarta-feira

É expectável que os seis interessados na Brisa apresentem esta quarta-feira as propostas vinculativas por 80% do capital da concessionária de autoestradas, atualmente na posse do grupo José de Mello e do fundo Arcus. Entre os interessados estão a Abertis, Globalvia, a francesa Ardian com a italiana Gavio, o fundo de pensões holandês APG e o consórcio liderado pela China Construction Engineering Corporation, num negócio que deverá superar os três mil milhões. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (sem link)

Comissão Europeia permite reafetar verba da linha circular do metro de Lisboa

“Os 83 milhões de euros alocados ao co-financiamento do projeto da linha circular do metropolitano de Lisboa podem, por decisão das autoridades portuguesas, ser reafetados a outros projetos, designadamente de expansão da rede”. Assim respondeu Elisa Ferreira, a comissão com a pasta da Coesão e Reformas, em resposta a uma pergunta escrita enviada pelos eurodeputados do PCP. Governo tem dito que reafetação das verbas é impossível, mas pelos prazos. Leia a notícia completa no Público (acesso pago)

Empresas propõem às farmácias caixas de máscaras por 150 euros

Antes do surto do Covid-19, uma caixa de máscaras custava às farmácias cerca de cinco euros e ao público sete euros. Atualmente, face à escassez desde tipo de equipamento médico, os preços estão inflacionados : “caixas de 25 máscaras a 150 euros cada, 6 euros a unidade”, “mínimo de encomenda 100 caixas” ou “caixas de 50 ou de 500 a 5 euros cada unidade”. Estas são várias propostas que chegam às farmácias portuguesas. “Os fornecedores normais não têm material para vender às farmácias, que estão a ser confrontadas com propostas enviadas por empresas de ocasião e com preços muito superiores ao normal”, explica a Associação Nacional das Farmácias. Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago)

Registo de bebé vai poder ser feito através da internet

Face ao Covid-19, os pais podem registar os filhos através do site do Governo. Caso não seja possível fazer o registo do nascimento no hospital ou maternidade, os pais poderão fazê-lo online ou em qualquer conservatória do registo civil. O registo do nascimento de uma criança pode ser pedido pelos pais, por qualquer pessoa que tenha uma autorização por escrito dos pais, pelo parente mais próximo que tenha conhecimento do nascimento ou pelo diretor ou administrador (ou outro funcionário por eles designado) da unidade de saúde onde nasceu a criança ou onde foi participado o nascimento. Leia a notícia no Jornal de Notícias (Link indisponível)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Bancos, Brisa e metro de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião