Pandemia prejudica recibos verdes? Há quatro mudanças no apoio extraordinário

  • ECO e Lusa
  • 7 Abril 2020

Do valor do apoio ao mínimo de meses descontados para a Segurança Social, passando pelo impacto da pandemia na atividade. As regras do apoio extraordinário para os trabalhadores independentes mudaram.

Menos de uma semana depois de ter aberto a porta ao apoio extraordinário para os trabalhadores independentes que fiquem sem trabalho face à pandemia de coronavírus, o Governo decidiu alterar as condições de acesso e até o valor dessa ajuda. O novo diploma seguiu, esta segunda-feira, para Belém, estando agora à espera do “sim” do Presidente da República.

Em causa está um apoio destinado aos trabalhadores independentes cuja atividade esteja a ser afetada pela pandemia de coronavírus. Esta prestação — que está disponível para os “recibos verdes” que não sejam pensionistas — tem a duração de um mês e é renovável mensalmente até um máximo de seis meses.

De acordo com o Ministério do Trabalho, mais de 100 mil trabalhadores independentes candidataram-se a esta ajuda, nos primeiros cinco dias em que tal foi possível. Esta segunda-feira, o Executivo anunciou que o regime sofrerá agora algumas alterações: do período mínimo com descontos para a Segurança Social à queda na atividade indicada como condição de acesso, passando pelo valor do valor do apoio

1. Valor do apoio é reforçado

Originalmente, o apoio extraordinário aos trabalhadores independentes equivalia ao valor da remuneração registada como base de incidência contributiva, com um limite máximo de 481,81 euros, isto é, o valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS).

O diploma que agora seguiu para Belém introduz, contudo, escalões no valor dessa ajuda. Quem tenha declarado até 1,5 vezes o IAS (658,2 euros) tem direito ao apoio referido, isto é, a tal prestação com o limite de 438,81 euros. Já para quem tenha declarado mais do que 1,5 vezes o IAS, o apoio passará a corresponder a dois terços daquilo que declarou com o limite de um salário mínimo nacional (635 euros).

2. Paragem total de atividade deixa de ser requisito obrigatório

Originalmente, este apoio estava disponível para os trabalhadores “em situação comprovada de paragem total da sua atividade ou da atividade do respetivo setor”. O decreto-lei submetido para promulgação do Presidente da República muda, contudo, essa regra.

“Além da situação de paragem total de atividade, agora especifica-se que também possam beneficiar trabalhadores independentes que registem uma quebra de faturação na ordem dos 40%”, destacou o secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro. De acordo com a Ministra do Trabalho, esse recuo tem de ser verificado em relação aos 30 dias anteriores ao pedido ou ao período homólogo.

3. Descontos exigidos mudam

Originalmente, este apoio destinava-se aos trabalhadores independentes “sujeitos ao cumprimento da obrigação contributiva em pelo menos três meses consecutivos” dos últimos 12 meses. Segundo o Governo, essa condição de acesso é agora flexibilizada. “Agora, abrangem-se igualmente as pessoas que declaram de forma intermitente [desde que tenham cumprido a obrigação contributiva] em pelo menos seis meses interpolados há longo do último ano“, detalhou o secretário de Estado.

Ou seja, tanto podem aderir os trabalhadores independentes com os tais três meses consecutivos como com os seis meses intermitentes. O objetivo foi alargar o universo de trabalhadores abrangidos, explicou a ministra do Trabalho.

De fora desta ajuda ficam, ainda assim, os trabalhadores independentes que, estando no seu primeiro ano de atividade, estavam a beneficiar de isenção das contribuições para a Segurança Social.

4. Sócios-gerentes passam a ser abrangidos

Face à pandemia de coronavírus, o Governo preparou apoios para as empresas e os trabalhadores, mas deixou de fora os sócios-gerentes. O tema foi abordado pelos partidos com assento na Assembleia da República, com várias proposta a serem entregues nesse sentido.

No caso do novo lay-off, por exemplo, esses sócios-gerentes podem colocar todos os seus funcionários nesse regime — garantindo-lhes, pelo menos, dois terços do seu salário, pagos em grande parte pela Segurança Social — mas não se podem colocar a si próprios ao abrigo desse mecanismo. Questionado sobre o assunto, o ministro da Economia adiantou que a proteção social para os sócios-gerentes teria se ser pensada fora do mecanismo do lay-off.

E a resposta do Governo chegou esta segunda-feira: os sócios-gerentes sem trabalhadores dependentes e com uma faturação até 60 mil euros passam a ter acesso ao apoio previsto para os trabalhadores independentes. E aqueles que têm trabalhadores à sua conta? “Se no final do lay-off o posto de trabalho for mantido, o empregador tem direito a receber um salário mínimo por cada emprego conservado”, explicou o Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia prejudica recibos verdes? Há quatro mudanças no apoio extraordinário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião