315 mil recibos verdes arriscam ficar sem apoio em abril

  • ECO
  • 31 Março 2020

Apoio de 438,81 euros é pago a partir do mês seguinte ao da entrada do requerimento, sendo que esse formulário só será disponibilizado na Segurança Social Direta a 1 de abril.

315 mil trabalhadores a recibos verdes em Portugal que arriscam passar o mês de abril sem o apoio extraordinário de 438 euros que o Governo decidiu criar para ajudar quem enfrenta uma paragem súbita da atividade por causa da propagação do novo coronavírus. Em causa estão aqueles trabalhadores independentes sem trabalho neste momento que só recebem o primeiro apoio a partir de maio. Para os que abriram a atividade no início deste ano o acesso está em dúvida, avança o Público (acesso condicionado) nesta terça-feira.

O apoio de 438,81 euros é pago a partir do mês seguinte ao da entrada do requerimento, sendo que esse formulário só será disponibilizado no portal Segurança Social Direta esta quarta-feira (1 de abril). Daí que ninguém poderá apresentar o requerimento em março para poder beneficiar desta medida governamental em abril. Ou seja, deixando de fora, para já, os 314.734 trabalhadores independentes que, segundo os registos da administração fiscal, têm exclusivamente rendimentos do trabalho independente em Portugal.

Foi a 14 de março que foi publicado pelo Governo o decreto-lei que veio estipular que os trabalhadores independentes que fiquem totalmente sem trabalho por causa da pandemia de coronavírus venham a receber da Segurança Social um apoio extraordinário que pode chegar aos 438,81 euros mensais. Determina ainda que quem passa recibos verdes e esteja nas referidas condições verá as suas contribuições adiadas durante o período em que estiver a beneficiar desta proteção social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

315 mil recibos verdes arriscam ficar sem apoio em abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião