Ainda não verificou deduções do IRS? Prazo para reclamar acaba hoje

Os contribuintes têm até esta terça-feira para dar um última volta no Portal das Finanças e reclamar dos valores das deduções à coleta que foram apuradas pelo Fisco.

Tem até esta terça-feira para verificar os montantes que foram apurados pela Autoridade Tributária (AT) para dedução em sede de IRS e reclamar desses valores, se encontrar alguma imprecisão. A consulta deve ser feita através do Portal das Finanças.

Desde dia 15 que os contribuintes podem consultar no e-Fatura os montantes globais apurados pelo Fisco para dedução de IRS, terminando esta terça-feira o prazo para indicar, gratuitamente, alguma incorreção nesses montantes.

Segundo a DECO, estas reclamações são só aconselháveis no caso das despesas gerais e das faturas com benefício de IVA. Nas restantes “caixas” das deduções à coleta, aconselha-se que a correção seja feita no momento do preenchimento do quadro 6C, do anexo H do Modelo 3. No momento da entrega da declaração anual, terá então de rejeitar a importação automática dos dados do e-Fatura e preencher manualmente os valores em causa.

Por outro lado, se ao verificar os dados agora disponíveis no Portal das Finanças não encontrar qualquer erro, não precisa de fazer mais nada. Quando entregar o Modelo 3 — entre abril e junho —, serão esses os montantes contabilizados para as deduções à coleta, caso opte pelo IRS automático ou pela declaração previamente preenchida.

Tem também até esta terça-feira para indicar à Autoridade Tributária a que entidade pretende consignar 0,5% do imposto que teriam de entregar ao Estado. Este ano há mais de quatro mil entidades a quem pode “doar” o IRS ou IVA. De notar que esta ação não implica a perda de qualquer valor devido ao contribuinte, mas do imposto que o Estado recebe. Se não cumprir este prazo, não se preocupe. Pode indicar a entidade à qual pretende consignar o IRS no momento da entrega do Modelo 3.

A entrega anual do Modelo 3 do IRS arranca já esta quarta-feira. O prazo terminará depois a 30 de junho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ainda não verificou deduções do IRS? Prazo para reclamar acaba hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião