BE recebeu 800 denúncias de abusos laborais em dez dias

  • Lusa
  • 7 Abril 2020

Nos primeiros dez dias de funcionamento do site despedimentos.pt, foram recebidas cerca de 800 denúncias de abusos laborais, ultrapassando as 80 mil pessoas afetadas.

O Bloco de Esquerda (BE) recebeu nos primeiros dez dias de funcionamento do site despedimentos.pt cerca de 800 denúncias de abusos laborais, ultrapassando as 80 mil pessoas afetadas, sendo a maioria de despedimentos de trabalhadores precários.

Estes números foram avançados pelo deputado bloquista José Soeiro, numa videoconferência divulgada nas redes sociais do partido, constando do mapa dos despedimentos e dos abusos contra os trabalhadores em tempo de pandemia que faz “o balanço e retrato crítico de dez dias de denúncias” do site despedimentos.pt, lançado pelo BE em 25 de março.

“Até ao momento, o site recebeu cerca de 800 denúncias, abrangendo milhares de trabalhadores e centenas de empresas, num universo que ultrapassa as 80 mil pessoas afetadas”, refere o documento enviado à Lusa. O partido garante que, antes de serem publicadas, “todas as denúncias são submetidas a uma confirmação junto das fontes, feita pela equipa que gere o site”.

De acordo com a análise feita pelo BE, as denúncias revelam que as empresas estão a usar “três grandes estratégias de compressão de custos, sempre em prejuízo do trabalho” durante a pandemia de coronavírus, sendo do distrito de Lisboa originárias 40% das queixas e do Porto 16%.

Assim, o grupo mais afetado, correspondendo a 26% das denúncias até agora recebidas, são “dezenas de milhares de trabalhadores precários”, tendo sido dispensado quem estava em período experimental, fazendo caducar contratos a prazo, pondo fim aos contratos de trabalho temporário ou aos contratos com empresas prestadoras de serviço e dispensando os trabalhadores a recibo verde.

“A segunda estratégia, sobre a qual incide um quinto das denúncias (20%), foi avançar com despedimentos de trabalhadores efetivos, procurando, na maior parte das vezes, convertê-los, sob chantagem, em revogações por ‘mútuo acordo’”, condena. Em alguns destes casos são invocados de “forma fraudulenta insolvências ou atropelam-se os procedimentos previstos na lei laboral”, sendo destacado o caso do despedimento de trabalhadores efetivos no Porto de Lisboa.

“A terceira estratégia das empresas foi imputar as perdas aos trabalhadores, obrigando-os ao gozo de férias no período do confinamento (cerca de 15% das denúncias incidem sobre este aspeto), evitando assim qualquer repartição de custos com as empresas, seja pressionando para que houvesse um acordo relativamente às datas antecipadas, seja marcando essas férias ao arrepio do que dispõe o Código do Trabalho”, explica ainda.

Para além destes três grandes grupos, há ainda 15% de queixas por desrespeito pelas normas sanitárias, de saúde e de segurança — “particularmente na indústria, na construção civil e nos call-centers, três dos setores que continuaram com um atividade mais intensa em período de confinamento” — e 11% por recusa de teletrabalho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE recebeu 800 denúncias de abusos laborais em dez dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião