Guerra aberta na WeWork. Empresa processa SoftBank, seu principal acionista

O SoftBank retirou a oferta de compra de ações da WeWork no valor de três mil milhões de dólares. Perante a decisão, um comité especial do conselho de administração decidiu processar o grupo japonês.

Guerra aberta na WeWork. Depois de o SoftBank ter decidido retirar a oferta de compra de ações da empresa no valor de três mil milhões de dólares, que tinha sido acordada no âmbito do resgate à WeWork, o comité especial do conselho de administração da empresa decidiu processar o SoftBank, que é o seu principal acionista.

Depois de um IPO falhado, que envolveu acusações de más práticas de gestão na WeWork e o consecutivo afastamento do seu cofundador Adam Neumann, o grupo SoftBank tinha anunciado em outubro um mega pacote de resgate à empresa de aluguer de espaços para trabalho que incluía uma oferta para a compra de ações dos trabalhadores e investidores, no valor de até três mil milhões de dólares.

No total, o pacote de resgate iria beneficiar Newmann com até 1,7 mil milhões de dólares. Porém, no passado dia 2 de abril, foi divulgado que o grupo japonês liderado por Masayoshi Son decidiu cancelar a oferta de compra de ações da empresa. Não foi dada justificação para a retirada da oferta, que o SoftBank esperava concluir até outubro.

Perante este desfecho, que deixa a WeWork em ainda maiores dificuldades financeiras, a empresa decidiu avançar para tribunal contra o grupo japonês e seu maior acionista. Num comunicado, o comité especial da WeWork acusa o SoftBank de ter desrespeitado o acordo de resgate, falando numa “violação clara” das obrigações contratuais. O comité avança também com uma possível justificação, indicando que o SoftBank está sob “cada vez mais pressão de investidores ativistas” (uma eventual referência ao facto de, em fevereiro, o fundo Elliott Management ter revelado uma posição de 2,5 mil milhões de dólares no grupo).

Desta forma, os responsáveis da WeWork tencionam forçar o SoftBank a concretizar a proposta feita no ano passado, ou a pagar indemnizações por “danos” causados à empresa: “O SoftBank já recebeu a maioria dos benefícios que lhe eram devidos [nos termos do acordo], incluindo um controlo alargado da WeWork e benefícios económicos adicionais. A conduta condenável do SoftBank em falhar a consumação da oferta deixa os acionistas minoritários da WeWork sem a liquidez que lhes foi prometida”, considera o comité na mesma nota.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Guerra aberta na WeWork. Empresa processa SoftBank, seu principal acionista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião