tech4COVID19 pede ao Governo medidas para fortalecer ecossistema empreendedor em plena crise

Centenas de empreendedores entregaram documento com propostas de medidas adequadas ao ecossistema, que em 2018 representou 1,1% do PIB nacional. Apelam a medidas adequadas a startups.

O movimento tech4COVID19, que junta centenas de empreendedores para criar soluções que ajudem a combater o coronavírus, decidiu fazer chegar ao Governo um documento com propostas de medidas que diminuam os efeitos da pandemia no ecossistema empreendedor português. Segundo informa o grupo de empreendedores em comunicado, o Governo “mostrou-se disponível para avaliar as propostas, no contexto das medidas excecionais de apoio ao ecossistema de empreendedorismo que tem vindo a desenvolver, e que deverão ser anunciadas esta semana”.

“Muito do que foi construído ao longo dos últimos 10 anos (startups, incubadoras, aceleradoras, fundos de investimento, empregos, etc.), está atualmente em risco, pelo que, à semelhança do que temos visto em outros países europeus, como França e Alemanha, onde os governos locais estão a injetar milhares de milhões de euros nos respetivos ecossistemas de inovação. É fundamental que o Governo português possa atuar rapidamente para ajudar as startups, incubadoras e investidores nacionais a mitigar os efeitos da pandemia”, explica Felipe Ávila da Costa, porta-voz do movimento e CEO da Infraspeak.

Entre as medidas que constam do documento estão um “aumento da tesouraria”, um “fundo de maneio” que permita às startups sobreviver até que haja uma retoma na disponibilidade de investimento, e o desenvolvimento de outras medidas que permitam às startups manterem os postos de trabalho e reterem talento e conhecimento, através da revisão e da criação de novas iniciativas que incentivem business angels e venture capital a continuarem a investir.

“As startups têm características específicas que as tornam muito diferentes do restante tecido empresarial português, motivo pelo qual a comunidade acredita que deverão ter medidas adequadas e pensadas para a sua realidade”, afirma Daniela Monteiro, que coordenou o projeto de elaboração do documento apresentado ao Governo com as propostas da comunidade.

É fundamental que o Governo português possa atuar rapidamente para ajudar as startups, incubadoras e investidores nacionais a mitigar os efeitos da pandemia.

Felipe Ávila da Costa

Porta-voz do movimento tech4covid

De acordo com uma primeira análise sobre o impacto do Covid-19 nas startups portuguesas, revelada pela Aliados Consulting e pela FES Agency, 73% dos empreendedores sentem já impacto negativo do vírus nos seus negócios e 43,9% registou perdas nas vendas superiores a 60%. Este impacto será também sentido na economia portuguesa uma vez que o ecossistema empreendedor representou, em 2018, 1,1% do PIB português, segundo dados recolhidos pela Startup Portugal.

O impacto, refere ainda o movimento tech4covid, sente-se não só no negócio como na postura dos investidores, que estão a reavaliar a operação para apoiar as empresas do seu portefólio de investimentos “em detrimento da avaliação de novas oportunidades de investimento, num universo temporal ainda desconhecido”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

tech4COVID19 pede ao Governo medidas para fortalecer ecossistema empreendedor em plena crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião