Covid-19: Economist prevê recessão mundial de 2,5% em 2020

  • Lusa
  • 8 Abril 2020

"Esperamos de que a economia mundial contraia 2,5% este ano, uma contração ainda mais profunda do que na crise financeira global" de 2008", aponta o relatório da Economist Intelligence Unit.

A Economist Intelligence Unit (EIU) prevê uma recessão de 2,5% da economia mundial em 2020 devido à Covid-19, de acordo com um relatório da unidade técnica associada à revista a que a Lusa teve acesso.

Esperamos de que a economia mundial contraia 2,5% este ano, uma contração ainda mais profunda do que na crise financeira global” de 2008, pode ler-se no relatório da EIU a que a Lusa teve acesso.

Anteriormente à crise económica causada pela pandemia de covid-19, a Economist tinha projetado um crescimento de 2,3% da economia mundial.

A unidade técnica associada à revista britânica espera “uma retoma modesta na produção mundial na segunda metade de 2020, assumindo que a propagação do coronavírus é largamente contida a nível global e não há segundas ou terceiras vagas da pandemia”.

“No entanto, o impacto na confiança será duradouro”, adverte a EIU, prevendo recessões fortes durante o primeiro semestre um pouco por todo o mundo.

Na Europa, a unidade técnica da revista estimou, no primeiro trimestre do ano, uma recessão de 5% em Itália, de 3% na Alemanha, 2% em França e 1,4% no Reino Unido.

No segundo trimestre, as previsões da EIU pioram, apontando para uma contração económica de 10% em França, em Itália e na Alemanha, e de 9,3% no Reino Unido.

Nos Estados Unidos, a EIU aponta para uma quebra de 1,4% no primeiro trimestre e de 5,9% no segundo.

Na China, a previsão é de uma quebra de 10,9% no primeiro trimestre do ano, mas de uma recuperação de 9,2% no segundo.

A EIU avisa que “no pior cenário, poderão ocorrer crises das dívidas soberanas se os esforços para conter a pandemia drenarem as receitas orçamentais e aumentarem drasticamente as despesas públicas nos países desenvolvidos”.

“Isto é sustentado no facto de muito dos países europeus que estão entre os mais afetados pela pandemia, como Itália e Espanha, já terem posições orçamentais fracas antes do surto”, denota a EIU, acrescentando que uma potencial dívida “espalhar-se-ia rapidamenre para outros países desenvolvidos e mercados emergentes, levando a economia mundial para outra – possivelmente muito mais profunda – recessão”.

Este ano, “o efeito negativo no crescimento virá tanto dos canais da procura como da oferta. Por um lado, as medidas de quarentena, a doença, e o sentimento negativo dos consumidores e das empresas vai suprimir a procura”, refere a EIU.

Por outro lado, “o fecho de algumas fábricas e a disrupção às cadeias de oferta vai criar estrangulamento na oferta”, pode ler-se no documento.

“O choque económico estará, sobretudo, concentrado na primeira metade deste ano, com variações regionais que seguem a propagação da pandemia pelo globo”, considera a EIU.

A unidade da Economist antecipa que “um aumento das incertezas vai levar ao aumento de poupanças precaucionárias nas famílias e ao atraso do investimento nas empresas”.

“Alguns consumidores podem também auto-isolar-se depois dos governos levantarem as restrições, por medo de contraírem o coronavírus, o que irá constranger a recuperação no consumo privado”, refere a EIU.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 82 mil. Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 750 mil infetados e mais de 58 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 17.127 óbitos em 135.586 casos confirmados até terça-feira.

Em Portugal, segundo o balanço feito esta quarta-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 380 mortes, mais 35 do que na véspera (+10,1%), e 13.141 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 699 em relação a terça-feira (+5,6%).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Economist prevê recessão mundial de 2,5% em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião