Hoje nas notícias: apoios do Estado, TAP e futebol

  • ECO
  • 9 Abril 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Quase 900 mil pessoas já estão a beneficiar de apoios extraordinários criados pelo Estado para fazer face à crise da pandemia de Covid. Na TAP, o plano de ajuda pública poderá incluir um programa de reformas antecipadas sem penalização para os trabalhadores. O futebol também faz as contas aos prejuízos: o valor dos plantéis da Liga portuguesa caiu 200 milhões. Com as atividades do turismo e da construção paradas, a economia deverá registar uma quebra recorde este ano. Não se sabe quantos farmacêuticos estão infetados pelo coronavírus.

900 mil já estão a receber apoios do Estado por causa do Covid-19

A pandemia de Covid-19 está a criar dificuldades financeiras a muitas famílias, obrigando o Estado a adotar medidas para mitigar o impacto crise. Nesta situação encontram-se 887 mil pessoas, que já recebem apoios extraordinários que foram criados nas últimas semanas: 642 mil trabalhadores beneficiam do regime de lay-off, os apoios a trabalhadores independentes atingem já 117 mil, são já 109 mil os pais a serem apoiados porque têm de ficar em casa com os filhos com as escolas fechadas, e 19 mil pessoas beneficiam de apoio por estarem em situação de isolamento profilático. Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

Estado pondera reformas antecipadas sem penalização na TAP

Com grande parte da frota de aviões parada devido à pandemia de Covid-19, a TAP foi obrigada a aderir ao regime de lay-off simplificado para reduzir o impacto da paralisação nas suas contas. O Estado, acionista da transportadora aérea, estar a preparar um pacote de ajuda à empresa que poderá incluir reformas antecipadas sem qualquer penalização para os trabalhadores. O resgate à companhia aérea também passará por isenções de taxas, diferimento de TSU e impostos, e empréstimos com aval público. Leia a notícia completa no Jornal Económico (sem link).

Valor dos plantéis de futebol cai 204 milhões

O valor dos plantéis dos clubes portugueses caiu mais de 200 milhões de euros por causa do surto do coronavírus, que obrigou a uma suspensão dos jogos por tempo indeterminado. Sem jogos, os clubes também estão em dificuldades em obter receitas relativas à transmissão dos jogos ou bilhetes. A Liga fala em perdas de 300 milhões para os principais emblemas do futebol português. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (sem link).

Turismo e construção parados podem levar PIB a quebra recorde

Com o país em estado de emergência e com vários setores completamente parados por tempo indeterminado, o PIB português poderá sofrer uma quebra recorde. Uma perda de 25% nas vendas dos restaurantes durante este ano custaria 0,9% do seu valor ao PIB português, uma quebra semelhante no setor do turismo pode penalizar a economia em 2,9% e um cenário idêntico e na construção faria a atividade económica contrair-se 1%. Leia a notícia completa no Jornal Público (acesso pago).

Farmacêuticos infetados? O valor é uma incógnita

Os farmacêuticos estão na linha da frente no combate ao Covid-19, mas no que respeita às estatísticas oficias dos profissionais de saúde infetados, os farmacêuticos estão inseridos na categoria “outros”. Existem farmacêuticos infetados, mas o número ao certo é uma incógnita. A ordem dos farmacêuticos já pediu ao Ministério da Saúde para alterar a metodologia de registo e disponibilizar os dados. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, numa das conferências de imprensa de balanço epidemiológico desta semana, indicam que até agora só no SNS há 1.345 profissionais de saúde infetados, 370 enfermeiros, 240 médicos e 825 no grupo dos “outros”. Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: apoios do Estado, TAP e futebol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião